O estágio docente como uma comunidade de prática crítica-experimental

Palavras-chave: Estágio docente, Comunidades de Prática, Ensino. Aprendizagem

Resumo

Desenvolvo neste ensaio alguns argumentos que pretendem relacionar o estágio docente à concepção de comunidades de prática. Noção desenvolvida por Etienne Wenger, a comunidade de prática é pensada como um agrupamento de sujeitos que, engajados na aprendizagem do ofício pelo qual são apaixonados, reúnem-se voluntariamente para firmar, aperfeiçoar e manter esse compromisso. Tomando por base essa construção, argumento que alguns obstáculos históricos do estágio supervisionado de professores, em especial a desvinculação entre teoria e prática e o tímido diálogo entre universidade e escola, podem ser confrontados por intermédio do estabelecimento de uma comunidade de prática pedagógica. Contemplada por atores de diversas instituições, manteria sua unidade devido à paixão pelo ensinar, ao desejo de aprender e à aventura de experimentar didáticas no âmbito da diferença e da tradução pedagógica. Porém, para o êxito desse processo não teremos fórmulas prontas: os parâmetros de cada comunidade teriam que ser pautados localmente e artesanalmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Nunes Batista, Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas

Professor no Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas, Brasil. É membro do Grupo de Pesquisa “Formação continuada de Professores” da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2003.

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2011.

CACETE, Núria Hanglei. Breve história do ensino superior brasileiro e da formação de professores para a escola secundária. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 1061-1076, out./dez. 2014.

COLOMBO, Irineu; BALLÃO, Carmem. Histórico e aplicação da legislação de estágio no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, v. 53, n. 2, p. 171-186, jul./set. 2014.

CORAZZA, Sandra Mara. Didática-artista da tradução: transcriações. Mutatis Mutandis: Re-vista Latinoamericana de Traducción, Universidad de Antioquia, vol. 6, n. 1, p. 185-200, 2013.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Estágio Supervisionado na formação docente. In: LISITA, Verbena Moreira; SOUZA, Luciana Freire (Orgs.). Políticas Educacionais, práticas escolares e alternativas de inclusão escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

DERRIDA, Jacques. Torres de Babel. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e Escritos II: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

FRANÇA, Dimair de Souza. Formação de professores: a parceria escola-universidade e os estágios de ensino. UNIrevista, Campo Grande, v. 1, n. 2, p. 1-10, abr. 2006.

GALLO, Sílvio. Em torno de uma Educação Menor. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 27, n. 2, p.169-178, jul./dez. 2002.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

LARROSA, Jorge. O ensaio e a escrita acadêmica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 28, n. 2, p. 101-115, jul./dez. 2003.

LIMA, Maria Lucena. Reflexões sobre o estágio supervisionado na formação de professores. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 8, n. 23, p. 195-205, jan./abr. 2008.

MARTINS, Rosa; TONINI, Ivaine. A importância do estágio supervisionado em Geografia na construção do saber/fazer docente. Geografia: Ensino & Pesquisa, Santa Maria, v. 20, n. 3, p. 98-106, set/dez. 2016.

MILANESI, Irton. Estágio supervisionado: concepções e práticas em ambientes escolares. Educar em Revista, Curitiba, v. 46, n. 4, p. 209-227, out./dez. 2012.

NÓVOA, António. Os professores e o “novo” espaço público da educação. In: TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude (Orgs.). O ofício de professor: histórias, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SUCUPIRA, Newton. Da faculdade de filosofia à faculdade de educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 51, n. 114, p. 250-270, abr./jun. 1969.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

VEIGA-NETO, Alfredo. Algumas raízes da Pedagogia moderna. In: ZORZO, Cacilda; SILVA, Lauraci; POLENZ, Tamara (Orgs.). Pedagogia em conexão. Canoas: Editora da ULBRA, 2004.

VEIGA-NETO, Alfredo. É preciso ir aos porões. Revista Brasileira de Educação, Campinas/SP, v. 17, n. 50, p. 267-282, mai./ago. 2012.

ZANTEN, Agnès van. A influência das normas de estabelecimento na socialização profissional dos professores: o caso dos professores dos colégios periféricos franceses. In: TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude (Orgs.). O ofício de professor: histórias, perspectivas e desafios internacionais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

WENGER, Etienne. Comunidades de Practica: aprendizaje, significado e identidad. Barcelona: Paidós, 2001.
Publicado
18-08-2021
Como Citar
Batista, B. N. (2021). O estágio docente como uma comunidade de prática crítica-experimental. Revista Educação Em Questão, 59(60). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n60ID24237
Seção
Artigos