A produção periódica estudantil oitocentista

Palavras-chave: Educação; História da Educação; Século XIX; Imprensa estudantil.

Resumo

A pesquisa objetiva mapear as publicações periódicas dos estudantes do período oitocentista por meio de um inventário realizado no acervo da Hemeroteca Digital Brasileira. Indagamos sobre a produção de periódicos estudantis do período Imperial no Brasil (1822-1889) em diferentes espaços geográficos do país. Após o levantamento dos periódicos, compartilhamos um mapeamento contendo títulos, locais, datas de publicação e números disponibilizados no acervo. A investigação evidencia uma tendência de crescimento quantitativo na publicação de periódicos pela classe estudantil, entre 1840 e 1870, e a consolidação dessa prática em 1880. Tratou-se de um movimento estudantil nacional, pois os periódicos foram publicados nas principais capitais provinciais, com incidências em regiões interioranas. Os títulos evidenciam que muitos periódicos eram produtos de associações literárias e uma predileção pela produção de jornais literários. O mapeamento ratificou a dificuldade dos estudantes na manutenção desses periódicos que embora numerosos possuíam publicações efêmeras e poucos tiveram longa duração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laís Pacifico Martineli, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação. Faz parte do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá. Grupo de Pesquisa: GEPHEIINSE - Grupo de Estudos e Pesquisa em História da Educação, Intelectuais e Instituições Escolares.

Maria Cristina Gomes Machado, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação. Faz parte do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá. Grupo de Pesquisa: GEPHEIINSE - Grupo de Estudos e Pesquisa em História da Educação, Intelectuais e Instituições Escolares.

Referências

A IDEA, Curityba, Paraná, n. 1-6, 1888.

A IDEA, Curityba, Paraná, n. 7-17, 1889.

A OPINIÃO, Curityba, Paraná, n. 1-8, 1887.

ARNAUT DE TOLEDO, Cézar de Alencar; SKALINSKI JUNIOR, Oriomar. A imprensa periódica como fonte para a história da educação: teoria e método. Revista HISDTEDBR – Online. Publicação da Faculdade de Educação/UNICAMP. v. 12, n. 48 (2012). Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/revistas/ged/histedbr/article/view/4662/364. Acesso em: 15 abr 2014.

ARNT, Héris. Jornalismo literário. Logos: Comunicação & Universidade. Rio de Janeiro: UERJ/Faculdade de Comunicação social, v. 1, set. 1990.

ARROYO, Leonardo. Literatura Infantil brasileira. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

BASTOS, Maria Helena Camara. Impressos e Cultura Escolar: Percursos da pesquisa sobre a imprensa estudantil no Brasil. La prensa pedagógica de los escolares y estudiantes. Su contribución al patrimonio histórico educativo. 1ed. Salamanca/ES: Ediciones Universidad de Salamanca., 2015, v. 1, p. 21-43.

HAIDAR, Maria de Lourdes Mariotto. O ensino secundário no Império brasileiro. São Paulo: Gribaldo, USP, 1972.

JINZENJI, Mônica Yumi. Imprensa periódica e juventude no século XIX. In: DAROS, M. das D.; PEREIRA, E. A. T. Sentidos da Educação e projetos de Brasil: século XIX e XX. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2017, p. 37-49.

MACHADO, Maria Cristina Gomes. Estado e políticas da educação no Império brasileiro. In. SAVIANI, D. (Org.). Estado e políticas educacionais na história da educação brasileira. Vitória: EDUFES, 2010, p. 153-186.

MACHADO, Maria Cristina Gomes; RODRIGUES, Elaine. Conversas sobre fontes. In: GONDRA, J. G.; MACHADO, M. C. G.; SIMÕES, R. H. S. (Orgs.). História da educação, matrizes interpretativas e internacionalização. Vitória: EDUFES, 2017, p. 253-272.

MACHADO, Maria Cristina Gomes. O Decreto de Leôncio de Carvalho e os Pareceres de Rui Barbosa em Debate: A criação da escola para o povo no Brasil no século XIX. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS; M. H. C. (Orgs.). Histórias e memórias da educação no Brasil: Século XIX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 91-103.

MACHADO, Maria Cristina Gomes; MÉLO, Cristiane Silva. Rui Barbosa e a questão do ensino secundário no Diário de Notícias (1889). Revista Acta Scientiarum: Human and Social Sciences, 29(2):183-193, 2007. Disponível em: <https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/918/445> Acesso em: 24 maio 2021.

MARTINELI, Laís Pacifico. Pelos estudantes e para os estudantes: a instrução e a literatura nos periódicos estudantis brasileiros (1870-1880), 2020, 406f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá, 2020.

NÓVOA, Antônio. A imprensa de educação e ensino: concepção e organização do repertório português. In: CATANI, D. B.; BASTOS, M. H. C. (Orgs.). Educação em revista: a imprensa periódica e a história da educação. São Paulo: Escrituras, 1997. p. 11-32.

O ASPIRANTE, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 1-12, 1881.

O ASPIRANTE, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, n. 13 e 14, 1882.

PALLARES-BURKE, Maria Lúcia Garcia. A imprensa periódica como uma empresa educativa no século XIX. Revista Cadernos de Pesquisa. n 104, p. 144-161, Julho, 1998. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/index.php/cp/article/view/723/737> Acesso em: 16/06/2021

PEREIRA, Milena da Silveira. A crítica que fez história: as associações literárias no Oitocentos. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015.

VERÍSSIMO, José. A educação nacional. Livro digital. Fundação Biblioteca Nacional. Departamento Nacional do livro, 1915.

Publicado
18-08-2021
Como Citar
Pacifico Martineli, L., & Gomes Machado, M. C. (2021). A produção periódica estudantil oitocentista. Revista Educação Em Questão, 59(60). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n60ID25671
Seção
Artigos