Das janelas aos porões: a construção da sensibilidade criadora em cadernos de infância, de Norah Lange

  • Júlia Azzi UFRGS

Resumo

Este trabalho busca analisar a construção do eu pela escrita memorialística no livro Cadernos de infância, da escritora argentina Norah Lange. Publicada pela primeira vez em 1937, a obra é composta por diversos fragmentos, que narram eventos da infância da personagem-Norah, os quais se combinam para construir essa identidade individual, ligada a um determinado modo de estar no mundo e um olhar pessoal para as coisas, cujo desenvolvimento é o foco principal de sua narração. Pretende-se examinar alguns aspectos constitutivos dessa escrita, tais como a seleção dos episódios e a linguagem marcada pela poeticidade, buscando destrinchar o (auto)retrato que se propõem a criar.  Pensa-se este relato memorialístico como uma procura no terreno fértil da infância pelo eu que se tornará o escritor mais tarde, porém não como uma mera busca no passado, mas uma construção que se dá a partir do ato de lembrar no presente, com todas as ressignificações que acompanham esse movimento. Nesse sentido, este artigo busca analisar três questões fundamentais na narrativa, explorando como elas se conectam na busca por uma coerência, mesmo que dispersa, mas necessária para a criação dessa sensibilidade autoral: 1) a linguagem poetizada e conotativa que exprime os acontecimentos, 2) o enfoque dado ao detalhe, ao minúsculo, aos silêncios entre as palavras 3) a escolha temática por episódios relacionados a mortes, doenças, medos e tudo que apresente alguma fragilidade. Como aporte teórico, utilizam-se textos de estudiosos como Aleida Assmann, Jeanne-Marie Gagnebin, Joel Candau, Mikhail Bakhtin e Michael Pollak, entre outros.

PALAVRAS-CHAVE: Cadernos de infância; escrita memorialística; construção identitária.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
25-01-2021
Como Citar
AZZI, J. Das janelas aos porões: a construção da sensibilidade criadora em cadernos de infância, de Norah Lange. Revista do GELNE, v. 23, n. 1, p. 43-55, 25 jan. 2021.
Seção
Artigos