Morfologia interna e externa na emergência de raízes prefixadas durante a aquisição de português brasileiro

  • Indaiá de Santana Bassani UNIFESP
  • Julia Svazati Assine UNIFESP

Resumo

Este artigo descreve a emergência de raízes prefixadas por  a-, eN e deS- na produção infantil de três crianças durante a aquisição de português brasileiro como língua materna (dos 3 aos 5;06 anos) com objetivo de: a) investigar três variáveis morfológicas: composicionalidade semântica, contribuição semântica da raiz e posição do prefixo em relação à raiz; b) discutir a distinção entre      morfologia interna e externa na produção infantil. A hipótese inicial do trabalho é a de que há um aumento na emergência de estruturas com significado composicional (com presença de morfologia externa) com o avanço da idade, dado que essas formações são morfossintaticamente mais complexas. Após a aplicação de testes de inferência estatística, a hipótese inicial se confirmou parcialmente, pois somente com o prefixo a- foi possível observar o aumento da composicionalidade com o avanço da idade e, consequentemente, o aumento da formação de estruturas morfossintáticas mais complexas. Ainda, os resultados gerais mostraram que a maioria dos dados emergentes prefixados apresenta composicionalidade semântica; consequentemente, em grande parte desses dados, os três prefixos ocupam uma posição externa em relação à raiz e os significados mais frequentes são reversão, mudança de estado e formação de atividade, a predominância do significado de mudança de estado para a- e eN- e reversão para deS- na fala infantil corrobora o que tem observado a literatura sobre a fala adulta (BASSANI, 2013; DE BONA & RIBEIRO, 2017; SANTOS, 2016).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
06-11-2020
Como Citar
BASSANI, I. DE S.; ASSINE, J. S. Morfologia interna e externa na emergência de raízes prefixadas durante a aquisição de português brasileiro. Revista do GELNE, v. 22, n. 2, p. 235-255, 6 nov. 2020.
Seção
Dossiê de Morfologia