Gênero e aspecto nominal: desdobrando individuação

  • Danniel da Silva Carvalho
  • Jair Gomes de Farias UFAL
  • Dorothy Bezerra Silva de Brito UFRPE

Resumo

Neste artigo, discute-se a função de gênero gramatical nos nominais e sua correlação com individuação. A partir de uma pesquisa exploratória sobre o comportamento dessa categoria e seus efeitos morfossintáticos em nomes, interlinguisticamente, e assumindo a proposição de partição de aspecto nominal apresentada em Rijkhoff (1991), objetiva-se evidenciar que gênero gramatical é especificado léxico-semanticamente na composição de individuação. Assume-se, pois, a hipótese de que a marcação gramatical de gênero determina diferenças de perspectivização dos nominais e que a marcação de gênero e de número são duas faces do traço aspectual conjunto (RIKHOFF, 1991; CARVALHO; BRITO; FARIAS, 2020). Adota-se ainda como aporte teórico uma taxonomia geométrica de traços baseada em Cowper e Hall (2009), para uma formalização lexical de individuação, dentre os quais encontra-se gênero.  Conclui-se que a realização das marcas de gênero possibilita leituras mais individuadas de objetos, que podem ser genéricas ou particularizadas, e cuja estrutura lexical é apresentada a partir de um modelo de traços constitutivos (Teoria-phi (HARBOU; ADGER; BÉJAR, 2008)).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
07-11-2020
Como Citar
CARVALHO, D. DA S.; FARIAS , J. G. DE; BRITO , D. B. S. DE. Gênero e aspecto nominal: desdobrando individuação. Revista do GELNE, v. 22, n. 2, p. 367-384, 7 nov. 2020.
Seção
Dossiê de Morfologia