A voz média como estratégia de isenção de responsabilidade

  • Maria Claudete Lima Universidade Federal do Ceará

Resumo

Numa perspectiva funcional, a gramática é considerada a codificação de valores semânticos e pragmáticos em que entram em jogo, entre outros fatores, a intenção comunicativa do falante (GIVÓN, 1993). A categoria de voz, relacionada à escolha do sujeito, configura-se como uma estratégia discursiva para focalizar ou desfocalizar determinado participante. Na voz média, em especial, o sujeito é o paciente do processo e o agente é totalmente desfocalizado. O objetivo deste artigo é analisar, em dados do português oral, a voz média como estratégia de isenção de responsabilidade. Para tanto, investiga, entre outros fatores, se o desencadeador do processo, embora não presente na oração medial, se encontra no contexto ou pode ser identificado. Os resultados apontam que, na voz média, o desencadeador do processo, quando presente no contexto, é predominantemente abstrato ou interno, o que permite seu emprego como estratégia de isenção de responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
13-07-2021
Como Citar
LIMA, M. C. A voz média como estratégia de isenção de responsabilidade. Revista do GELNE, v. 23, n. 2, p. 146-159, 13 jul. 2021.
Seção
Artigos