A CONSTRUÇÃO DE UMA AGENDA DE GESTÃO COMPARTILHADA PARA A REOORGANIZAÇÃO DA DEMANDA EM SAÚDE BUCAL

  • Lúcia Maria Lima Lemos Melo
  • Suzely Adas Saliba Moimaz
  • Cléa Adas Saliba Garbin
  • Artênio José Ísper Garbin
  • Nemre Adas Saliba
Palavras-chave: Saúde Bucal. Agenda de Saúde. Avaliação em Saúde. Gestão em Saúde.

Resumo


Introdução: A saúde bucal na ESF representa um grande desafio para os gestores quando assumem o compromisso de desenvolver ações de promoção da saúde, prevenção de doenças e reabilitação dos indivíduos com a racionalização no uso dos recursos. A utilização de ferramentas de gestão faz-se necessária para garantir a equidade e integralidade das ações. Objetivo: O objetivo neste estudo foi analisar a implantação de uma agenda construída de acordo com os princípios e diretrizes do SUS, como ferramenta facilitadora na reorganização do processo de trabalho para a melhoria do acesso aos serviços de saúde bucal. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa-ação realizada em um município do Estado de São Paulo, o qual foi selecionado com base nos seguintes critérios: existência de equipes de saúde bucal na Estratégia Saúde da Família, atenção primária e secundária em saúde bucal. Os dados foram obtidos por meio de análise do Plano Municipal de Saúde, do relatório do Programa de Monitoramento e Avaliação da Qualidade do Ministério da Saúde, entrevistas com o gestor, equipes de saúde e avaliação da produção ambulatorial. Resultados: Os resultados estão apresentados em três dimensões: construção da agenda; atividades realizadas e avaliação da agenda implantada. Foram realizadas oficinas para construção compartilhada da agenda e quatro meses antes e quatro meses após a implantação da mesma, foram avaliadas as seguintes variáveis: primeira consulta programática, consultas de urgência, tratamentos completados e procedimentos realizados. Verificou-se que houve aumento de 63% na cobertura dos pacientes atendidos na primeira consulta, redução de 30% dos casos de urgência; aumento de 11% na cobertura de tratamentos completados e aumento no número de procedimentos. Conclusão: Concluiu-se que a agenda construída de acordo com os princípios e diretrizes do SUS foi facilitadora na reorganização do processo de trabalho promovendo a melhoria do acesso aos serviços de saúde bucal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • Brasil. Portaria nº 2. 488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial União 2011; 21 out.

  • Pimentel FC, Albuquerque PC, Martelli PJL, Souza WV, Acioli RML. Caracterização do processo de trabalho das equipes de saúde bucal em municípios de Pernambuco, Brasil, segundo porte populacional: da articulação comunitária à organização do atendimento clínico. Cad Saúde Pública 2012; 28: S146-S57.

  • Ministério da Saúde (BR). Autoavaliação para Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica- AMAQ. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012a. Disponível em: URL: http://189.28.128.100/dab/docs/geral/amaq.pdf

  • Barros AJD, Bertoldi AD. Desigualdades na utilização e no acesso a serviços odontológicos: uma avaliação em nível nacional. Ciên Saúde Colet 2002; 7: 709-17.

  • Barreto ICHC, Andrade LOM, Moreira AEMM, Machado MMT, Silva MRF, Oliveira RC et al. Gestão participativa no SUS e a integração ensino, serviço e comunidade: a experiência da Liga de Saúde da Família, Fortaleza, CE. Saúde Soc 2012; 21: 80-93.

  • Brasil. Portaria nº 1.412, de 10 de julho de 2013. Institui o Sistema de Informação em Saúde para a Atenção Básica (SISAB). Diário Oficial União Brasília 2013; 11 jul.

  • Narvai PC. Saúde Bucal: assistência ou atenção? Oficina do Grupo de Trabalho “Odontologia em Silos – Sistemas Locais de Saúde”. Rede CEDROS; 1992. Disponível em: URL: http://www.ccs.ufsc.br/spb/os3_narvai.pdf

  • Moimaz SAS, Marques JAM, Saliba O, Garbin CAS, Zina LG, Saliba NA. Satisfação e percepção do usuário do SUS sobre o serviço público de saúde. Physis 2010; 20 : 1419-40.

  • Farfán J, Valenzuela MT. Incorporación de los odontólogos en los procesos de transformación al modelo de salud familiar de la atencion primaria en Chile. Rev Chil Salud Pública 2014; 18: 72-80.

  • Mattos GCM, Ferreira e Ferreira E, Leite ICG, Greco RM. A inclusão da equipe de saúde bucal na Estratégia Saúde da Família: entraves, avanços e desafios. Ciênc Saúde Coletiva 2014; 19: 373-82.

  • Brasil. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2007; 6 dez.

  • Santos AM. Organização das ações em saúde bucal na estratégia de saúde da família: ações individuais e coletivas baseadas em dispositivos relacionados e instituintes. Rev APS 2006; 9: 190-200.

  • Ministério da Saúde (BR). Avaliação para Melhoria da Qualidade da Estratégia Saúde da Família. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

  • Brasil. Portaria nº 1.631, de 1º de outubro de 2015. Aprova critérios e parâmetros para o planejamento e programação de ações e serviços de saúde no âmbito do SUS. Diário Oficial da União 2015; 2 out.

  • Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (BR). Manual do Prontuário de Saúde da Família. Belo Horizonte (MG): SES/MG; 2007.

  • Roncalli AG. A organização da demanda em serviços públicos de saúde bucal: universalidade, equidade e integralidade em saúde bucal coletiva [tese]. Araçatuba (SP): Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”- Faculdade de Odontologia de Araçatuba; 2000.

  • Garbin C, Garbin A, Santos K, Lima D. Oral health education in schools: promoting health agents. Int J Dent Hyg 2009; 7: 212-6.

  • Moimaz SAS, Ayach C, Garbin CAS, Saliba O. Auditoria na Saúde: justificativas de glosas no setor odontológico. J Health Sci Inst 2012; 30: 112-6.

  • Medeiros LCMM. Educação permanente como instrumento de mudança na rede de atenção à saúde da família: um relato de experiência. Rev Ciência Plural 2015; 1(1): 65-74.

Publicado
30-08-2016
Como Citar
MELO, L. M. L. L.; MOIMAZ, S. A. S.; GARBIN, C. A. S.; GARBIN, A. J. ÍSPER; SALIBA, N. A. A CONSTRUÇÃO DE UMA AGENDA DE GESTÃO COMPARTILHADA PARA A REOORGANIZAÇÃO DA DEMANDA EM SAÚDE BUCAL. Revista Ciência Plural, v. 2, n. 1, p. 42-55, 30 ago. 2016.
Seção
Artigos