MNEMOSINE E APRENDIZAGEM

Uma Breve Reflexão sobre a Memória a partir do Fedro de Platão e sua relação com a Contemporaneidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2024v24n1ID35115

Palavras-chave:

Memória, Platão, Contemporaneidade, Aprendizagem

Resumo

A memória é a capacidade humana de apreender os acontecimentos do passado, de modo que os mesmos possam ser difundidos pelos homens nos séculos posteriores. Nas sociedades tradicionais, onde ainda não existia a escrita, a oralidade garantia a conservação das tradições. Ao realizar um recorte nas sociedades tradicionais e referindo-se à Grécia Antiga, a maior parte da cultura grega foi disseminada pela oralidade até o final do século V a.C, antes da disseminação da escrita. No Fedro de Platão, o filósofo, através de um mito, traz a questão do perigo proeminente que é o fato dos homens confiarem a sua memória à depositários externos. No mundo contemporâneo é comum os sujeitos confiarem a sua mnemosine à internet e a outros dispositivos - o que leva ao enfraquecimento da memória-interior e a sua identidade. O propósito é demonstrar, a partir do Fedro de Platão, a importância do resgate da memória enquanto instrumento de aquisição e transmissão do conhecimento, para então refletir sobre a sua relação com a contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BORGES, Jorge Luis. Funes, el memorioso. Petrotecnia, v. 1, p. 95, 2004.

BOURDIEU, Pierre et al. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 1971.

FREUD, Sigmund. A Interpretação dos Sonhos, Vol IV, RJ, Imago. 1900.

GABRIEL, Fábio Antonio; PEREIRA, Ana Lúcia; GABRIEL, Ana Cássia. Modernidade líquida e consumismo no pensamento de Zygmunt Bauman. Revista Intersaberes, v. 14, n. 33, p. 698-698, 2019.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LE GOFF, Jacques. Memória. Enciclopédia Einaudi, Memoria-História. Porto: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1984.

LÉVY, Pierre. tecnologias da inteligência, As. Editora 34, 1993.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, Projeto História n. 10, dez. 1993

PLATÃO. Fedro. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 2. ed. Belém: EDUFPA, 2011.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista estudos históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

POLLAK, Michael. “Memória e identidade social”. Revista estudos históricos. Rio de Janeiro, v.5 n. 10, 1992.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart; BARBOSA, Marialva. Memória, relatos autobiográficos e identidade institucional. Comunicação & Sociedade, v. 28, n. 47, p. 99-114, 2007.

RICOEUR, Paul; NEIRA, Agustín. La memoria, la historia, el olvido. Madrid: Editorial Trotta, 2003.

RICOEUR, Paul; VIEIRA, Leonor Rocha. Grécia e mito. 1988.

SMOLKA, Ana Luiza Bustamante. A memória em questão: uma perspectiva histórico-cultural. Educação & Sociedade, v. 21, p. 166-193, 2000.

VERNANT, J-P. Mito e Pensamento entre os Gregos: estudos de psicologia histórica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

Downloads

Publicado

13-04-2024

Como Citar

DE SOUZA, P. O.; ALVES, T. F. . MNEMOSINE E APRENDIZAGEM: Uma Breve Reflexão sobre a Memória a partir do Fedro de Platão e sua relação com a Contemporaneidade . Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 24, n. 1, p. FI03, 2024. DOI: 10.21680/1984-3879.2024v24n1ID35115. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/35115. Acesso em: 16 jun. 2024.