Interatividade nas culturas da infância

aproximações, amizade e conflitos entre bebês

  • Ana Cristina Coll Delgado Universidade Federal de Pelotas
  • Rogério Costa Würdig Universidade Federal de Pelotas
  • Patrícia Pereira Cava Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Bebês. Amizades. Conflitos.

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar a interatividade entre bebês em uma escola infantil municipal, com ênfase nas suas aproximações, relações de amizade e conflitos. Trata-se de uma investigação qualitativa, inspirada na etnografia com crianças, que utilizou como instrumentos para coleta de dados a observação com notas de campo e filmagens. O quadro teórico sustenta-se em autores que reconhecem os bebês como capazes de compartilhar experiências entre si, especialmente nas formas como se aproximam, criam laços de amizade e resolvem conflitos. Compreendemos a interatividade como construída social e culturalmente, pois, tratar da amizade e dos conflitos, apenas, no âmbito de uma disposição interna seria um contrassenso. A interpretação dos dados confrontou-nos com impressões, vídeos e notas de campo na produção de sentidos. Encontramos certa frequência nos agrupamentos intragênero e o estatuto da popularidade entre alguns bebês. Outro ponto a destacar é que as interações não se mantinham estáveis, provavelmente uma estratégia para manter contatos mais alargados e obter aceitação e participação no grupo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARLEO, Andy et DELALANDE, Julie. Cultures enfantines. Universalité et diversité. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2010.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 19 nov. 2013.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 19 nov. 2013a.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 19 nov. 2013b.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 17 dez. 2013c.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 17 dez. 2013d.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 25 nov. 2013e.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 3 abr. 2014.

BERÇARIO 1. Transcrição de vídeo. Pelotas (Rio Grande do Sul), 5 jun. 2014a.

BLAKE William. Auguries of innocence. PoèmeRédigé entre 1800 et 1803, publié pour la première fois en 1863.

BROUGÈRE, Gilles. Culture de masse et culture enfantine. In: ARLEO, Andy; DELALANDE, Julie. Cultures enfantines.Universalité et diversité. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2010.

BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-lise. Aprender pela vida cotidiana. Campinas: Autores Associados, 2012.

CARPENTER, Carole. Les universaux de la culture enfantine. In: ARLEO, Andy; DELALANDE, Julie. Cultures enfantines. Universalité et diversité. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2010.

COHN, Clarice. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Zahar,2005.

CORSARO, Willian. Reproduction interprétative et culture enfantine. Universalité et diversité de l’expression. In: ARLEO, Andy; DELALANDE, Julie. Cultures enfantines.Universalité et diversité. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2010.

CORSARO, Willian Arnold. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DENZIN, Norman Kent. The research act: a theoretical introduction to sociological methods. 2. ed. New York: Mc Graw-Hill, 1978.

DOLTO, Francoise. La cause des enfants. Paris: Éditions Robert Laffont, 1985.

FERREIRA, Manuela; NUNES, Angela. Estudos da infância, antropologia e etnografia:potencialidades, limites e desafios. Linhas Críticas, Brasília, v. 41, n. 20, p. 103-123, jan./abr.2014.

FONSAGRIVE, Anne. Premièresamitiés. ERES. La lettre de l'enfance et de l'adolescence, Paris,v. 55, n.1, p. 67-72, 2004.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma Antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Revista de Psicologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 313-336,jul./dez. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-5642009000300002>. Acesso em: 15. out. 2015.

GOTTLIEB, Alma. Tudo começa na outra vida: a cultura dos recém nascidos na África. São Paulo: Fap-Unifesp Editora, 2013.

GRAUE, Elizabeth; WALSH, Daniel. Investigação etnográfica com crianças: teorias, métodos e ética. Lisboa: Fundação CalousteGulbenkian, 2003.

HARRIS, Paul. Criança e emoção. O desenvolvimento da compreensão psicológica. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

JAMES, Allison; JENKS, Chris; PROUT, Alan. Theorizing childhood. Cambridge: PolityPress, 1998.

LECONTE, Xavier. Compteravec les autres. ERES. La lettre de l'enfance et de l'adolescence, Paris, n. 1, v. 55, p. 31- 36, 2004.

MAÏLAT, Maria L’ami. Absence etpréexcellencelettre à Tristan. ERES. La lettre de l’enfance et de l’adolescence, Paris, n. 1. v. 55, 9-16, 2004.

MONTANDON, Cléopâtre. Processus de socialisation et vécuemotionnel des enfants. RevueFrançaise de Sociologie, n. 2, v. 37,avril, p. 263-282, 1996.

NEYRAND, Gerard.L’enfant, la mère et la question du pére: un bilan critique de l’évolution des saviors sur la petiteenfance.Paris: PressesUniversitaires de France, 2000.

RAYOU, Patrick. La grande école. Approchesociologiquedescompétencesenfantines. Paris, PUF, 1999.

ROGOFF, Barbara. A natureza cultural do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; CERISARA, Ana. Beatriz. Crianças e miúdos:perspectivas sócio pedagógicas da infância e educação. Porto: ASA, 2004.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera. Maria. Ramos; SARMENTO, Manuel. Jacinto (Org.). Infância (in)visível. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. A reinvenção do ofício de criança e aluno.Atos de Pesquisa em Educação – FRU, Blumenau, v. 6, p. 581-602, set./dez. 2011.

SARMENTO, Manuel Jacinto. A sociologia da infância e a sociedade contemporânea. In: ENS, Romilda. Teodora; GARANHANI, Marynelma. Camargo. A sociologia da infância e a formação de professores. Curitiba: Champagnat, 2013.

TORRES, Anália Cardoso. Amor e sociologia: da estranheza ao reencontro. In: CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA, 4 – SOCIEDADE PORTUGUESA: PASSADOS RECENTES, FUTUROS PRÓXIMOS; 2000, Coimbra. Actas. Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra: 2000.

TREVISAN, Gabriela de Pina. “A amizade é a melhor coisa do mundo apesar do amor”–afectos e amores entre crianças – a construção de sentimentos na interacção de pares. 2006, 534p. Dissertação (Mestrado em Sociologia da Infância− Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, Braga).

TREVISAN, Gabriela de Pina. Amor e afectos entre crianças. A construção social de sentimentos na interacção entre pares. In: DORNELLES, Leni Vieira (Org.). Produzindo pedagogias interculturais na infância. Petrópolis: Vozes, 2007.

TRISTÃO, Fernanda Carolina Dias. Ser professora de bebê: um estudo de caso numa creche conveniada. 2004. 206f. Dissertação (Mestrado em Educação) − Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

Publicado
26-07-2017
Como Citar
Delgado, A. C. C., Würdig, R. C., & Cava, P. P. (2017). Interatividade nas culturas da infância. Revista Educação Em Questão, 55(44), 144-168. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2017v55n44ID12197
Seção
Artigos