O ensino das convenções gráficas na alfabetização

Palavras-chave: Alfabetização, Linguagem escrita, Convenções gráficas, Ensino e aprendizagem

Resumo

O artigo discute enfoques priorizados no ensino das convenções gráficas que regem a escrita, atendo-se aos conhecimentos que envolvem a compreensão da orientação da escrita, a função da segmentação dos espaços em branco entre as palavras e a pontuação. Trata-se de uma pesquisa documental que teve como corpus 28 cadernos escolares de crianças que cursaram o primeiro ano do ensino fundamental durante os anos 2000 em um município do estado do Espírito Santo e 22 cadernos de professores que atuaram nas escolas desse município no mesmo período. Concluímos que a escrita vem sendo tratada de forma fragmentada e desvinculada do seu contexto de produção e os aspectos que a caracterizam graficamente trabalhados desconsiderando que essas convenções foram produzidas no decorrer do desenvolvimento da história da escrita. As atividades mostram que as características da língua escrita não vêm sendo reconhecidas como produções históricas e culturais elaboradas nas interações sociais e, portanto, carregadas de significações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovith. Estética da criação verbal. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovith. Problemas da poética de Dostoievski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

BRAGGIO, Silvia Lúcia Bigonjal. Leitura e alfabetização: da concepção mecanicista à sociolinguística. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bó-bu. São Paulo: Scipione, 1998.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização & linguística. São Paulo: Editora Scipione, 2007.

CHARTIER, Anne Marie. Exercícios escritos e cadernos de alunos: reflexões sobre práticas de longa duração. In: CHARTIER, Anne Marie (Org.). Práticas de leitura e escrita. História e atualidade. Belo Horizonte: Autêntica/CEALE, 2007.

COOK-GUMPERZ, Jenny (Org.). A construção social da Alfabetização. Tradução Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas. 1991.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1985.

GADOTTI, Moacir. Alfabetização e letramento: como negar nossa história. Porto Alegre: 2005.

GERALDI, João Wanderlei. O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2006.

GONTIJO, Claudia Maria Mendes. O processo de alfabetização: novas contribuições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GONTIJO, Claudia Maria Mendes. A criança e a linguagem escrita. Campinas: Autores Associados, 2003.

GONTIJO, Claudia Maria Mendes. Alfabetização e a questão do letramento. Cadernos de Pesquisa, Vitória, v. 11, n. 21, p. 42-72, jan./jun. 2005.

GONTIJO, Claudia Maria Mendes. Alfabetização na prática educativa escolar. Revista do Professor, Belo Horizonte, n. 14, p. 7-16, out. 2006.

GONTIJO, Claudia Maria Mendes. A escrita infantil. São Paulo: Cortez, 2008.

GONTIJO, Cláudia Maria Mendes; SCHWARTZ, Cleonara Maria. Alfabetização: teoria e prática. Curitiba: Sol, 2009.

GRAFF, Harvey. Os labirintos da alfabetização: reflexões sobre o passado e o presente da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: o espaço gráfico do caderno escolar (França – séculos XIX-XX). Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n. 1, p. 115-141, jan./jun. 2001.

LURIA, Alexander Romanovich. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VIGOTSKI, LEV SEMENOVICH; LURIA, Alexander Romanovich; LEONTIEV, Alex Nikolaevich. Linguagem, desenvolvimento eaprendizagem. São Paulo: Ícone Editora, 1988.

MACEDO, Donald. Alfabetização, linguagem e ideologia. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 21, n. 73, p. 84-99, dez. 2000.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Edurej, 2008.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabetização. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

PÉREZ, Carmen Lúcia Vidal. Alfabetização: um conceito em movimento. In: GARCIA Regina Leite; ZACURR, Edwiges (Org.). Alfabetização: reflexões sobre docentes e saberes discentes. São Paulo: Cortez, 2008.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 2008.

SILVA, Ademar. Alfabetização: a escrita espontânea. São Paulo: Contexto, 1994.

VINÃO, Antônio. Cadernos escolares como fonte histórica: aspectos metodológicos e historiográficos. In: MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Org.). Cadernos à vista: escola, memória e cultura escrita. Rio de Janeiro: Edurej, 2008.

VYGOTSKY, Lev Semionovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Publicado
24-05-2019
Como Citar
Schwartz, C. M., Pinheiro, G. O., & Becalli, F. Z. (2019). O ensino das convenções gráficas na alfabetização. Revista Educação Em Questão, 57(53). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n53ID17118
Seção
Artigos