Para uma cartografia de infâncias queer no currículo escolar

Palavras-chave: Currículo, Infâncias queer, Cartografia, Percursos metodológicos

Resumo

Infâncias queer, desidentificadas dos padrões de gênero e sexualidade instituídos, estão presentes no currículo escolar, aquecem nossas pesquisas e docências, incendeiam nossas certezas e enchem o território curricular de chispas incandescentes e incontroláveis. Este artigo, instalando-se nos estudos do campo curricular de perspectiva pós-crítica, tem como objetivo mostrar o mapa do fazer cartográfico desenhado para a realização de uma pesquisa de mestrado que investigou as resistências e os modos de vida forjados pelas crianças queer e suas infâncias, que chamamos de “fogueirinhas”, no currículo dos anos iniciais do ensino fundamental, de uma escola pública de Belo Horizonte. O argumento desenvolvido neste artigo é o de que para cartografar infâncias queer faz-se necessário entrar em um jogo de experimentação de posturas brincantes e inventivas, em um devir-criança que nos possibilite desmantelar a lógica adulto-centrada e criar procedimentos de pesquisa mais sensíveis aos movimentos minoritários dessas infâncias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, Laura Pozzana; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia ESCÓSSIA, Liliana da (Org.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção da subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

CORAZZA, Sandra. Pesquisar o acontecimento: estudo em XII exemplos. In: TADEU, Tomaz; CORAZZA, Sandra; ZORDAN, Paola (Org.). Linhas de escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

COLLING, Leandro. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismos queer. Salvador: EDUFBA, 2015.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Editora Escuta, 1998.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia 1. Tradução Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia 3. Tradução Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Cláudia Leão e Suely Rolnik. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia? Tradução Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 2010.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 2013.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. Tradução Salma Tannus Muchail. São Paulo: n-1 edições, 2013.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Tradução Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 2017.

IAFELICE, Henrique. Deleuze devorador de Spinoza: teoria dos afectos e educação. São Paulo: EDUC, FAFESP, 2015.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer: uma política pós-identitária para a educação. Estudos Feministas, Florianópolis, v.9, n.2, p. 541-553, jul./dez. 2001.

MACHADO, Antonio. Cantares, Poesia Latina, 2009. Disponível em: http://blogs.utopia.org.br/poesialatina/cantares-antonio-machado/. Acesso em: 22 ago. 2019.

OLIVEIRA, Thiago Ranniery Moreira de. Mapas, dança, desenhos: a cartografia como método de pesquisa em Educação. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Metodologias de Pesquisas Pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas pós-críticas em educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 122, p. 283-303, ago./dez. 2004.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e Diferença. In: PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Pesquisas sobre Currículos e Culturas: temas, embates, problemas e possibilidades. Curitiba: Editora CRV, 2010.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAÍSO, Marlucy Alves (Org.). Metodologias de Pesquisas Pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2014.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Fazer do caos uma estrela dançarina no currículo: invenção política com gênero e sexualidade em tempos do slogan “ideologia de gênero”. In: PARAÍSO, Marlucy Alves; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (Org.). Pesquisas sobre Currículos, Gêneros e Sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia. A experiência cartográfica e a abertura a novas pistas. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; TEDESCO, Silvia (Org.). Pistas do método da cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PERRONE, Cláudia Maria. Esquizoanálise. In: AQUINO, Julio Groppa; CORAZZA, Sandra Mara (Org.) Abecedário: educação da diferença. Campinas: Papirus, 2009.

PRECIADO, Paul Beatriz. Quem defende a criança queer? Tradução Cícero Oliveira. Revista Geni, 2013. Disponível em: http://revistageni.org/10/quem-defende-a-crianca-queer/. Acesso em: 22 ago. 2019.

RODRIGUES, Alexsandro; PRADO, Caio; ROSEIRO, Steferson Zanoni. Para te assombrar, aqui estamos: corpos não recomendados de crianças demasiadamente reais. In: RODRIGUES, Alexsandro (Org.). Crianças em dissidência: narrativas desobedientes da infância. Salvador: Editora Devires, 2018.

SILVA, João Paulo de Lorena. Crianças queer no currículo escolar: demandando visibilidade e bagunçando as normas de gênero. In: PARAÍSO, Marlucy Alves; CALDEIRA, Maria Carolina da Silva (Org.). Pesquisas sobre Currículos, Gêneros e Sexualidades. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018.

Publicado
29-11-2019
Como Citar
Silva, J. P. de L., & Paraíso, M. A. (2019). Para uma cartografia de infâncias queer no currículo escolar. Revista Educação Em Questão, 57(54). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n54ID18585
Seção
Artigos