Contando histórias de quem “dormiu para sempre”:

Narrativas infantis motivadas pela leitura literária

Palavras-chave: Literatura infantil, morte, leitura, narrativa

Resumo

A morte não é, correntemente, considerada um tema adequado para se falar com crianças. Assim, é comum ser tratada em narrativas infantis através de analogias que tentam amenizar emoções e sentimentos como dor, sofrimento e perda. Nesse artigo, articulamos o campo da literatura infantil – especificamente os estudos sobre o tema da morte nas obras para crianças - os estudos sobre a morte e sobre narrativas infantis. Analisamos narrativas produzidas por crianças de uma turma de 4º ano de escola pública após uma sessão de leitura compartilhada da obra Menina Nina, de Ziraldo, cuja temática central é a morte. A leitura da obra motivou as crianças a contarem suas próprias histórias em relação ao tema, com elementos de seu cotidiano, como a violência e a religiosidade. Entendemos que a leitura e a conversa sobre o tema são importantes ferramentas para a expressão das emoções das crianças sobre a morte, a perda e o luto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Maria Hessel Silveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Mestre em Letras, Doutora em Educação, professora convidada do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS, pesquisadora 1C do CNPq

Referências

ARIES, Philippe. O homem diante da morte. Tradução Luiza Ribeiro.São Paulo: Editora da UNESP, 2014

CHAMBERS, Aidan. Dime. Espacios para lalectura. Mexico: Fondo de Cultura Economica, 2007.

CHAMBERS, Aidan. Conversaciones.Mexico: Fondo de Cultura Economica, 2008.

COSSON, Rildo. Círculos de leitura e letramento literário. São Paulo: Contexto, 2014.

CRINON, Jacques; MARIN, Brigitte, LALLIAS, Jean-Claude. Enseigner la littérature. Paris: Nathan, 2006.

DIAZ, FanuelHanán. Variações sobre o tratamento dado ao tema morte na literatura infantil. Revista latino-americana de literatura infantil e juvenil. Bogotá, n. 4, p.2-11. Jul/dez 1996.

ELIAS, Norbert Elias. A solidão dos moribundos. Tradução Plinio Dentzien.Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

FRANÇOIS, Frédéric. A narrativa: espaço de jogo, experiência(s) e reflexão. In: DEL RÈ, Alessandra; PAULA, Luciane de; MENDONÇA, Marina Célia (orgs.) Explorando o discurso da criança. São Paulo: Contexto, 2014.

Tradução de Pietra Acunha Pereira e Paulo Santos.

GADELHA, Yvanna Aires; MENEZES, Izane Nogueira. Estratégias lúdicas na relação terapêutica com crianças na terapia comportamental. Univ. Ci. Saúde. Brasília, v. 2, n. 1, p. 1-151, jan./jun. 2004.

KELLEHEAR, Allan. Uma história social do morrer. Tradução Antônio Oliveira de Araújo. São Paulo: Editora UNESP, 2016.

MANGUEL, Alberto. Lendo imagens. Tradução Rubens Figueiredo, Rosaura Eichemberg, Cláudia Strauch. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MENDES, Teresa de Lurdes Frutuoso. A morte dos avós na Literatura Infantil: análise de três álbuns ilustrados. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 38, n.4, p.1113-1127,out/dez 2013.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. Tradução Celina Olga de Souza. São Paulo: Editora 34, 2008.

SAVATER, Fernando. As perguntas da vida. Tradução Mônica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIEIRA DA CUNHA, Susana Rangel. Cenários da educação infantil.Educação &Realidade.Porto Alegre, v. 30, n.2. p. 165-185. Jul/dez 2005.

ZIRALDO. Menina Nina, duas razões para não chorar.São Paulo: Melhoramentos, 2002.

Publicado
07-02-2020
Como Citar
Silveira, R. M. H., Aparecida Machado, P., & Rocha Silveira, B. (2020). Contando histórias de quem “dormiu para sempre”:. Revista Educação Em Questão, 58(55). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n55ID19424
Seção
Artigos