O Processo de civilização e o controle das emoções – alterações sociais e percepção da infância

Palavras-chave: Infância. Processos de civilização. Controle das emoções. Sociedade

Resumo

Atualmente a criança e o adolescente têm sido alvo de grande preocupação da sociedade. Historicamente, porém, percebe-se que em outros períodos, como o medieval, a percepção da infância e de suas peculiaridades ainda não se apresentava de maneira clara para os integrantes daquelas sociedades. Norbert Elias mostra que aos poucos a sociedade passa a exercer um maior controle sobre o indivíduo, fazendo-lhe exigências em relação aos comportamentos. Ao mesmo tempo em que isso acontece, o indivíduo modifica a sociedade e assim, numa relação recíproca, um traz alterações ao outro, sem que se consiga saber quem deu início ao processo. Este artigo tem como objetivo analisar, a partir das concepções de Norbert Elias, a forma como a sociedade passou a se preocupar com a infância, reconhecendo as crianças como merecedoras de atenção e cuidados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC, 1981.
BRANDÃO, Carlos da Fonseca. Os processos de civilização e o controle das emoções. Bauru: Edusc, 2007.
CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo: Editora da UNESP, 1999.
CHARTIER, Roger. Prefácio In: ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador: formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993. v. 2.
ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994. v. 1.
ELIAS, Norbert. Os alemães – a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.
ELIAS, Norbert. A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
ELIAS, Norbert. Introdução à sociologia. Trad. Maria Luiza Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70, 2008.
GÉLIS, Jacques. A individualização da criança. In: ARIÈS, Philippe e CHARTIER, Roger. História da vida privada - Vol. 3: Da Renascença ao Século da Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
HEYWOOD, Colin. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004.
MARCÍLIO, Maria Luiza. História Social da Criança Abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.
NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha – O papel do Estado na proteção aos direitos de crianças e adolescentes no Brasil: as especificidades da Constituição Federal, do Estatuto da Criança e do Adolescente e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação. 164 p. (Tese de Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Marília, 2010.
PASSETI, Edson. Crianças carentes e políticas públicas. In: DEL PRIORE, Mary (Org.) História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000.
ROTTERDAM, Erasmo. A civilidade pueril. São Paulo: Escala, s/d.
Publicado
03-09-2020
Como Citar
Nogueira, I., & da Fonseca Brandão, C. (2020). O Processo de civilização e o controle das emoções – alterações sociais e percepção da infância. Revista Educação Em Questão, 58(57). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n57ID20965
Seção
Artigos