A alfabetização e a heterogeneidade de conhecimentos sobre a escrita no Brasil e na França

Palavras-chave: Alfabetização, Heterogeneidade, Ensino, Aprendizagem

Resumo

A presente investigação analisou as práticas de professoras do 1º ano do Ensino Fundamental do Brasil e da França no atendimento à heterogeneidade de conhecimentos sobre a escrita alfabética dos alunos, assim como os diferentes níveis de apropriação do sistema de escrita das crianças de ambas as turmas ao início e final do ano letivo. Os procedimentos metodológicos envolveram observações e entrevistas, realizadas com as professoras, diagnoses de escrita de palavras, aplicadas aos alunos brasileiros, e a análise dos cadernos de classe dos aprendizes franceses. Os dados da investigação, tratados por meio da análise temática de conteúdo, evidenciaram diferenças significativas nas aprendizagens dos alunos brasileiros e franceses, relacionadas, entre outras coisas, à forma como as docentes lidavam com os diferentes conhecimentos das crianças no que se refere à apropriação da escrita alfabética. A professora brasileira tinha mais dificuldades para  avaliar os conhecimentos dos seus alunos e tratar a heterogeneidade da sua classe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nayanne Nayara Torres da Silva, Universidade de Pernambuco

Prof.ª da Universidade de Pernambuco (Petrolina-Pernambuco). Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em História e Educação no Sertão do São Francisco (GEPHESF).

Eliana Borges Correia de Albuquerque, Universidade Federal de Pernambuco

Prof.ª da Universidade Federal de Pernambuco (Recife) e do Programa de Pós-Graduação em Educação (UFPE). Pesquisadora do Grupo de Estudo em Alfabetização, Prática Docente e Formação de Professor (GEALPRAFOR).

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BRASIL. Pró-letramento: Programa de formação continuada dos anos/séries iniciais do Ensino Fundamental: Alfabetização e Linguagem. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

BRASIL. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: currículo na alfabetização: concepções e princípios: ano1. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Secretários de Educação, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, 2017.

BRASIL. Decreto nº 9.765, de 11 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Alfabetização. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/. Acesso em: 02 jun. 2019.

BUCHETON, Dominique. Les postures d’écriture et de lecture: la diversité des modes de penser-parler-apprendre. Langage et Pratiques, Lausanne, n. 37, p. 29-39, jun. 2006.

BUCHETON, Dominique; SOULÉ, Yves. Les gestes professionnels et le jeu des postures de l’enseignant dans la classe: un multi-agenda de préoccupations enchâssées. Éducation et didactique, Varia, v. 3, n. 3, p. 29-48, out. 2009.

CHARTIER, Anne Marie. A leitura e sua aquisição: modelos de ensino, modelos de aprendizagem. In: CHARTIER, Anne Marie. Práticas de leitura e escrita: História e atualidade. Tradução Ruth Silviano Brandão. Belo Horizonte: Ceale/Autêntica, 2007.

CRUZ, Magna do Carmo Silva. Tecendo a alfabetização no chão da escola seriada e ciclada: a fabricação das práticas de alfabetização e a aprendizagem da escrita e da leitura pelas crianças. 2012. 350f. (Tese de Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, 2012.

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: Cortez, 2001.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, p. 191-245, 1999.

FRANÇA. Programme d'enseignement du cycle des apprentissages fondamentaux (cycle 2). Paris: Ministère de l'Éducation nationale, 2015.

GOIGOUX, Roland. Rien de plus pratique qu’une bonne théorie ? Si, deux ! Les concepts de schème et de genre au service d’une analyse didactique de l’activité d’enseignement. In: MARYVONNE, Merri. Activité humaine et conceptualisation: Questions à Gérard Vergnaud. Toulouse: PUM, 2007.

GOIGOUX, Roland. ; VERGNAUD, Gérard. Schèmes professionnels. Revue de l'association internationale de recherches en didactique du français, AiRDF, n. 36, p. 7-10, 2005.

MESSIAS, Carla; DOLZ, Joaquim. As noções de gestos e de agir didático para a formação de professores de línguas: interfaces do trabalho docente. Cadernos Cenpec, São Paulo, v.5, n.1, p.44-67, 2015.

MORAIS, Artur Gomes de. Sistema de escrita alfabética. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2012.

ONRUBIA, Javier. Ensinar. Criar zonas de desenvolvimento proximal e nelas intervir. In: COLL, César; MARTÍN, Elena; MAURI, Teresa; MIRAS, Mariana; ONRUBIA, Javier; SOLÉ, Isabel; ZABALA, Antoni. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Editora Ática, 1996.

SCHNEUWLY, Bernard. L’objet enseigné. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. (Orgs.). Des objets enseignés en classe de français: le travail de l’enseignant sur la rédaction de textes argumentatifs et sur la subordonnée relative. Genève: Presses Universitaires de Rennes, 2009.

SOARES, Magda. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2008.

Publicado
23-09-2021
Como Citar
Torres da Silva, N. N., & Borges Correia de Albuquerque, E. (2021). A alfabetização e a heterogeneidade de conhecimentos sobre a escrita no Brasil e na França. Revista Educação Em Questão, 59(61). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n61ID25113
Seção
Artigos