O espaço-tempo da gramatização brasileira: uma agenda dialetológica na linguística nacional

  • Marcelo Gonçalves UFMS

Resumo

Este trabalho propõe a discussão da temática da espacialidade na Linguística Brasileira e seu funcionamento na relação língua/sujeito/estado num período que vai do final do século XIX a meados do século XX. Trabalhamos dentro de uma perspectiva discursiva, como diz Orlandi (2001), utilizando as considerações de Auroux (2009) sobre o processo de gramatização e sobre os instrumentos tecnológicos deste processo, como os dicionários e as gramáticas. Tentamos investigar como estas tecnologias linguísticas produzem discursos num determinado espaço-tempo brasileiro, e como estes discursos se relacionam para a constituição da Língua Portuguesa. Funcionando dentro de uma política de línguas do final do século XIX, é a partir deste discurso sobre a espacialidade brasileira que poderemos pensar numa série de práticas que vão afastar a Língua portuguesa falada no Brasil da de Portugal, e, mais tarde, tentar confirmar a unidade de uma língua nacional. Contraditoriamente, é a partir desta mesma unidade imaginária que as questões sobre a diversidade concreta da língua falada em território nacional vão surgir e ganhar força. Em nossa perspectiva, percebemos a construção e o funcionamento de uma agenda de cunho dialetológico que permeará os Estudos da Linguagem no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
25-01-2021
Como Citar
GONÇALVES, M. O espaço-tempo da gramatização brasileira: uma agenda dialetológica na linguística nacional. Revista do GELNE, v. 23, n. 1, p. 56-71, 25 jan. 2021.
Seção
Artigos