SÍFILIS EM GESTANTE E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO RETROSPECTIVO

Autores

  • Beatriz Távina Viana Cabral UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Janmilli da Costa Dantas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • José Adailton da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Dannielly Azevedo de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

DOI:

https://doi.org/10.21680/2446-7286.2017v3n3ID13145

Palavras-chave:

Gestantes, Sífilis Congênita, Sífilis Gestacional, Epidemiologia

Resumo

Introdução: A sífilis, apesar de todo o emprego das Políticas de Saúde em minimizar sua ocorrência, por diversas razões, continua acometendo gestantes e recém-nascidos. Objetivos: Caracterizou por conhecer as razões que favorecem as mulheres grávidas a não terem o diagnóstico de sífilis no pré-natal. Métodos: estudo retrospectivo em pacientes com sífilis gestacional e congênita, no município de Santa Cruz/RN, realizado a partir dos registros de notificação e prontuários das gestantes e seus recém-nascidos que buscaram atendimento em um Hospital Universitário (HU), referência em saúde Materno-infantil na região do Trairi, no período de janeiro de 2013 a janeiro de 2015, com método quantitativo. Resultados: Durante o período do estudo, 31,7% dos participantes da amostra possuem o ensino fundamental incompleto. No entanto, apesar da baixa escolaridade, 87,8% da amostra afirmou ter realizado tratamento, mediante prescrição médica no período em que estavam internadas no serviço hospitalar (100%). No total da amostra, apenas 19,5% (n=8) realizou o tratamento durante o pré-natal em sua primeira gestação (46,3%). De todos os recém-nascidos, filhos de mães que apresentaram o VDRL positivo, 80,5% deles não apresentaram nenhuma sintomatologia.  Em 68,3% dos casos estudados, não havia informações sobre o tratamento dos parceiros, 7,3 % concluíram o tratamento e 24,4% não aceitaram o tratamento. Conclusão: Houve grande taxa de subnotificação de sífilis congênita no HU, a mesma não foi feita de forma correta. A vigilância epidemiológica precisa ser mais valorizada, e feita de forma mais efetiva, frente ao paciente, para que nenhum dado possa ser perdido. Verificou-se falhas no acompanhamento pré-natal e no manejo dos recém-nascidos. Por outro lado, vemos que todas as crianças eram assintomáticas, e receberam o tratamento com a penicilina benzatina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Távina Viana Cabral, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Enfermeira graduada pela UFRN/FACISA, Professor substituto UFRN/FACISA

Janmilli da Costa Dantas, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Mestre em Enfermagem URFN; Enfermeira Obstetra; Professor Assistente DEnf/UFRN

José Adailton da Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Mestre em Saúde Coletiva PPGSCol/URFN; Doutorando em Saúde Coletiva pelo PPGSCol/UFRN; Professor Assistente da UFRN/FACISA

Dannielly Azevedo de Oliveira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

Mestre em Saúde Coletiva PPGSCol/URFN; Enfermeira Obstetra; Professor Assistente da UFRN/FACISA

Referências

Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. A sífilis na gestação e sua influência na morbimortalidade materno-infantil . Rev. Ciências Saúde. 2011; 22: 43-54.

Milanez H, Amaral E. Por que ainda não conseguimos controlar o problema da sífilis em gestantes e recém-nascidos?. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2008; 30 (7).

Nascimento MI, Cunha AA, Guimarães EV, Alvarez FS, Oliveira SRSM, Bôas ELV. Gestações complicadas por sífilis materna e óbito fetal. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2012; 34 (2).

Amaral E. Sífilis na gravidez e óbito fetal: de volta para o futuro. Rev. Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2012; 34 (2)

Lorenzi DRS, Madi JM. Sífilis congênita como indicador de assistência pré-natal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2001; 23:647-652.

Ximenes IPE, Moura ERF, Freitas GL, Oliveira NC. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev Rene. 2008; 9(3).

Domingues RMSM, Hartz ZMA, Leal MC. Avaliação das ações de controle da sífilis e do HIV na assistência pré-natal da rede pública do município do Rio de Janeiro. 2012; 12 (3).

Araujo EC, Costa KSG, Silva RS, Azevedo VNG, Lima FAS. Importância do pré-natal na prevenção da Sífilis Congênita. Rev. Para. Med.2006; 20(1).

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 399. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 - Consolidação do SUS e aprova as diretrizes operacionais do referido pacto. DOU. Diário Oficial da União, 23 fev. 2006.

GENIOLE, Leika Aparecida Ishiyama et al (Org.). Assistência de Enfermagem por Ciclos de Vida. Campo Grande: Ufms: Fiocruz: Unidade Cerrado Pantanal, 2011. 240 p. Disponível em: <http://www.saudedafamilia.ufms.br/manager/titan.php?target=openFile&fileId=351>. Acesso em: 11 abr. 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Projeto de eliminação da sífilis congênita. Manual de assistência e vigilância epidemiológica. Brasília: 1998

Komka MR, Lago EG. Sífilis congênita: notificação e realidade. Scientia Medica. 2007; 17 (4): 205-211.

Donalísio MR, Freire JB, Mendes ET. Investigação da sífilis congênita na microrregião de Sumaré, Estado de São Paulo, Brasil – desvelando a fragilidade do cuidado à mulher gestante e ao recém-nascido. Epidemiol. Serv. Saúde. 2007; 16(3):165-173.

Saraceni V, Leal MC. Avaliação da efetividade das campanhas para eliminação da sífilis congênita na redução da morbi-mortalidade perinatal. Município do Rio de Janeiro, 1999-2000. Cad. Saúde Pública. 2003; 19(5): 1341-1349.

Pedersoli CE, Antonialli E, Vila TCS. O enfermeiro na vigilância epidemiológica no município de Ribeirão Preto 1988-1996. Rev. latino-am. Enfermagem. 1998; 6 (5): 99-105.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 158 p

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. DST-Boletim Epidemiológico. 1997; III: 3-18.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

22-04-2018

Como Citar

CABRAL, B. T. V.; DANTAS, J. da C.; DA SILVA, J. A.; OLIVEIRA, D. A. de. SÍFILIS EM GESTANTE E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO RETROSPECTIVO. Revista Ciência Plural, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 32–44, 2018. DOI: 10.21680/2446-7286.2017v3n3ID13145. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/13145. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos