SÍFILIS EM GESTANTE E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO RETROSPECTIVO

  • Beatriz Távina Viana Cabral UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Janmilli da Costa Dantas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • José Adailton da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
  • Dannielly Azevedo de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
Palavras-chave: Gestantes, Sífilis Congênita, Sífilis Gestacional, Epidemiologia

Resumo


Introdução: A sífilis, apesar de todo o emprego das Políticas de Saúde em minimizar sua ocorrência, por diversas razões, continua acometendo gestantes e recém-nascidos. Objetivos: Caracterizou por conhecer as razões que favorecem as mulheres grávidas a não terem o diagnóstico de sífilis no pré-natal. Métodos: estudo retrospectivo em pacientes com sífilis gestacional e congênita, no município de Santa Cruz/RN, realizado a partir dos registros de notificação e prontuários das gestantes e seus recém-nascidos que buscaram atendimento em um Hospital Universitário (HU), referência em saúde Materno-infantil na região do Trairi, no período de janeiro de 2013 a janeiro de 2015, com método quantitativo. Resultados: Durante o período do estudo, 31,7% dos participantes da amostra possuem o ensino fundamental incompleto. No entanto, apesar da baixa escolaridade, 87,8% da amostra afirmou ter realizado tratamento, mediante prescrição médica no período em que estavam internadas no serviço hospitalar (100%). No total da amostra, apenas 19,5% (n=8) realizou o tratamento durante o pré-natal em sua primeira gestação (46,3%). De todos os recém-nascidos, filhos de mães que apresentaram o VDRL positivo, 80,5% deles não apresentaram nenhuma sintomatologia.  Em 68,3% dos casos estudados, não havia informações sobre o tratamento dos parceiros, 7,3 % concluíram o tratamento e 24,4% não aceitaram o tratamento. Conclusão: Houve grande taxa de subnotificação de sífilis congênita no HU, a mesma não foi feita de forma correta. A vigilância epidemiológica precisa ser mais valorizada, e feita de forma mais efetiva, frente ao paciente, para que nenhum dado possa ser perdido. Verificou-se falhas no acompanhamento pré-natal e no manejo dos recém-nascidos. Por outro lado, vemos que todas as crianças eram assintomáticas, e receberam o tratamento com a penicilina benzatina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Távina Viana Cabral, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
Enfermeira graduada pela UFRN/FACISA, Professor substituto UFRN/FACISA
Janmilli da Costa Dantas, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
Mestre em Enfermagem URFN; Enfermeira Obstetra; Professor Assistente DEnf/UFRN
José Adailton da Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
Mestre em Saúde Coletiva PPGSCol/URFN; Doutorando em Saúde Coletiva pelo PPGSCol/UFRN; Professor Assistente da UFRN/FACISA
Dannielly Azevedo de Oliveira, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
Mestre em Saúde Coletiva PPGSCol/URFN; Enfermeira Obstetra; Professor Assistente da UFRN/FACISA

Referências

  • Magalhães DMS, Kawaguchi IAL, Dias A, Calderon IMP. A sífilis na gestação e sua influência na morbimortalidade materno-infantil . Rev. Ciências Saúde. 2011; 22: 43-54.

  • Milanez H, Amaral E. Por que ainda não conseguimos controlar o problema da sífilis em gestantes e recém-nascidos?. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2008; 30 (7).

  • Nascimento MI, Cunha AA, Guimarães EV, Alvarez FS, Oliveira SRSM, Bôas ELV. Gestações complicadas por sífilis materna e óbito fetal. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2012; 34 (2).

  • Amaral E. Sífilis na gravidez e óbito fetal: de volta para o futuro. Rev. Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2012; 34 (2)

  • Lorenzi DRS, Madi JM. Sífilis congênita como indicador de assistência pré-natal. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2001; 23:647-652.

  • Ximenes IPE, Moura ERF, Freitas GL, Oliveira NC. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev Rene. 2008; 9(3).

  • Domingues RMSM, Hartz ZMA, Leal MC. Avaliação das ações de controle da sífilis e do HIV na assistência pré-natal da rede pública do município do Rio de Janeiro. 2012; 12 (3).

  • Araujo EC, Costa KSG, Silva RS, Azevedo VNG, Lima FAS. Importância do pré-natal na prevenção da Sífilis Congênita. Rev. Para. Med.2006; 20(1).

  • BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n° 399. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 - Consolidação do SUS e aprova as diretrizes operacionais do referido pacto. DOU. Diário Oficial da União, 23 fev. 2006.

  • BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Projeto de eliminação da sífilis congênita. Manual de assistência e vigilância epidemiológica. Brasília: 1998

  • Komka MR, Lago EG. Sífilis congênita: notificação e realidade. Scientia Medica. 2007; 17 (4): 205-211.

  • Donalísio MR, Freire JB, Mendes ET. Investigação da sífilis congênita na microrregião de Sumaré, Estado de São Paulo, Brasil – desvelando a fragilidade do cuidado à mulher gestante e ao recém-nascido. Epidemiol. Serv. Saúde. 2007; 16(3):165-173.

  • Saraceni V, Leal MC. Avaliação da efetividade das campanhas para eliminação da sífilis congênita na redução da morbi-mortalidade perinatal. Município do Rio de Janeiro, 1999-2000. Cad. Saúde Pública. 2003; 19(5): 1341-1349.

  • Pedersoli CE, Antonialli E, Vila TCS. O enfermeiro na vigilância epidemiológica no município de Ribeirão Preto 1988-1996. Rev. latino-am. Enfermagem. 1998; 6 (5): 99-105.

  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2005. 158 p

  • BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS. DST-Boletim Epidemiológico. 1997; III: 3-18.

Publicado
22-04-2018
Como Citar
CABRAL, B. T. V.; DANTAS, J. DA C.; DA SILVA, J. A.; OLIVEIRA, D. A. DE. SÍFILIS EM GESTANTE E SÍFILIS CONGÊNITA: UM ESTUDO RETROSPECTIVO. Revista Ciência Plural, v. 3, n. 3, p. 32-44, 22 abr. 2018.
Seção
Artigos