BNCC E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

UMA ANÁLISE A PARTIR DA CONCEPÇÃO NIETZSCHIANA DE FORMAÇÃO PARA A CULTURA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2024v24n1ID34176

Palavras-chave:

formação de professores, BNCC, formação para a cultura, Nietzsche

Resumo

Considerando o contexto da Reforma do Novo Ensino Médio (2017), buscou-se promover possíveis aproximações entre os apontamentos críticos feitos pelo jovem Nietzsche, acerca do processo de industrialização pelo qual passou a educação alemã de sua época e os princípios formativos da BNC-formação (2019). Para tanto, realizou-se a análise das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs) para a formação docente da educação básica, bem como o estudo sistemático das conferências Sobre o futuro dos  nossos estabelecimentos de ensino (1872). A atualidade das contribuições do filósofo alemão sobre educação na modernidade, permitiu-nos lançar luzes sobre os principais dilemas atualmente enfrentados, pela educação brasileira, a respeito da Reforma do Novo Ensino Médio e da BNCC. Os resultados desse trabalho denunciam um modelo educacional em curso no Brasil, cujos princípios formativos estão alinhados a interesses muito específicos, o que nos levou a concluir que, no âmbito da Reforma, o interesse do Estado, alinhado aos interesses empresariais, resume-se a formar professores-treinadores, aptos a incorporar e ensinar (inculcar) as habilidades e as competências técnico-profissionais predeterminadas pelas DCNs.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, Alexandre. A crítica de Nietzsche ao ideal alemão de Bildung. Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência, Rio de Janeiro, v. 11, nº 3, p. 26-40, 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/tragica/article/view/27359. Acesso em: mar. 2023.

BEZERRA, Ciro. Estudo & virtude: formação de si no mundo com os outros e as contradições na educação brasileira. Maceió: Grafmarques, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação Conselho Pleno. a Resolução CNE/CP Nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: jan. 2023.

BRITTO, Fabiano de Lemos. Ientidade cultural e formação individual: a Alemanha do século XIX e a fundação da pedagogia moderna. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 118, p. 217-233, jan./mar. 2012.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. Lisboa: Edições 70, 2007. DIAS, Rosa Maria. Nietzsche, uma vida como obra de arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2011.

DIAS, Rosa Maria. Nietzsche, educador. São Paulo: Editora Scipione, 1991.

FILGUEIRAS, Luiz . O Neoliberalismo no Brasil: estrutura, dinâmica e ajuste do modelo econômico. In: Eduardo M. Basualdo; Enrique Arceo. (Org.). Neoliberalismo y Sectores Dominantes - tendências globales y experiências nacionales. Buenos Aires: CLACSO - Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, v. 1, p. 179-206, 2006.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 77. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2021.

GOLLO JUNIOR, Ronaldo Antonio; CAMPOS, Elisabete Ferreira Esteves. Uma leitura freireana sobre a Bnc-Formação: a persistência no erro epistemológico do bancarismo. Educação & Linguagem. v. 24, n. 2, p. 209-234, jul.-dez. 2021.

HADOT, Pierre. Exercícios espirituais e filosofia antiga. São Paulo: É Realizações Editora, 2014.

MARTON, Scarlett. Prefácio. In: DIAS, Rosa Maria. Nietzsche, educador. São Paulo: Editora Scipione, 1991.

MENDONÇA, riany Ferreira de; MENDONÇA, Alexandre Ferreira de. Contribuições de Nietzsche para uma concepção artística de educação. Revista Trágica: estudos de filosofia da imanência, Rio de Janeiro, v.10 nº 1, p. 24-41, 2017.

MORAES, Fabio Monteiro de. Um livro didático ante a produção dos não-livros para o ensino de Sociologia escolar. Cadernos da Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais. CABECS, v. 6, n. 2, p. 135-147, 2022b.

MONTINARI, Mazzino. Equívocos marxistas. cadernos Nietzsche, 12, 2002. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/cniet/article/view/7854/5394. Acesso em: mar. 2023.

NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre educação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2003.

NIETZSCHE, Friedrich. David Strauss, o confessor e o escritor: considerações extemporâneas I. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes. 2020.

PIRES, Manuella de Aragão; CARDOSO, Lívia de Rezende. BNC para formação docente: um avanço às políticas neoliberais de currículo. Série-estudos, Campo Grande, v. 25, n. 55, p. 73-93, set./dez. 2020. Disponível em: https://www.serie-estudos.ucdb.br/serie-estudos/article/view/1463. Acesso em: fev. 2023.

SOBRINHO, Noéli Correia de Melo. A pedagogia de Nietzsche. Apresentação. In: NIETZSCHE, Friedrich. Escritos sobre educação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2003.

SOUSA, Fernanda. Rocha de. Deontologia docente: a construção de conceitos ético-profissionais. Belém: Universidade do Estado do Pará, 2014.

Downloads

Publicado

16-02-2024 — Atualizado em 19-02-2024

Versões

Como Citar

TEMPLE , G. C. .; MORAES, F. BNCC E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UMA ANÁLISE A PARTIR DA CONCEPÇÃO NIETZSCHIANA DE FORMAÇÃO PARA A CULTURA. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 24, n. 1, p. AR02, 2024. DOI: 10.21680/1984-3879.2024v24n1ID34176. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/34176. Acesso em: 22 abr. 2024.