A FRAGMENTAÇÃO DA SUBJETIVIDADE COMO CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA:

REGULARIDADES ENUNCIATIVAS NA PUBLICIDADE SOBRE CASAIS GAYS

Autores

Resumo

Neste artigo, propomos uma reflexão acerca das estratégias discursivas, realizadas nos enunciados que circulam na esfera publicitária, em que nos são dados a ver os relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo. Mais amplamente, mostraremos as condições de possibilidade por que passa o sujeito gay a fim de constituir-se enquanto experiência histórica do presente. Este nosso propósito será ancorado pelo pensamento de Michel Foucault (2008; 2012) sobre como deve ser o sujeito, que posição deve ocupar no real ou no imaginário para se tornar sujeito legítimo deste ou daquele conhecimento. Retomamos também J-J Courtine (2006) para tratarmos de uma semiologia histórica que constitui os elementos imagéticos do corpus. Serão analisadas peças publicitárias das empresas IKEA e Tecnisa e da revista VIP. Observamos que nessa produção discursiva há um jogo da legitimação e do controle das imagens e dizeres, que funciona como verdade na ordem discursiva midiática do mercado publicitário por onde a subjetividade gay se inscreve como possibilidade de existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

14-06-2022

Como Citar

DOMINGOS , J. . A FRAGMENTAÇÃO DA SUBJETIVIDADE COMO CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA:: REGULARIDADES ENUNCIATIVAS NA PUBLICIDADE SOBRE CASAIS GAYS. Revista Saridh – Linguagem e Discurso, [S. l.], v. 4, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/RevSaridh/article/view/27890. Acesso em: 8 ago. 2022.