Subjetividades de um ensino

marcações de gênero na educação escolar (1970-1980)

Palavras-chave: Educação; Gênero; Mulheres, História do Tempo Presente.

Resumo

Este texto insere-se nos estudos de gênero e da História do Tempo Presente. Com os aportes teóricos metodológicos desses campos, busca-se refletir sobre as subjetividades construídas por meio do processo de ensino das décadas de 1970-1980. Como estudo de caso, foram utilizadas como fonte de análise, entrevistas com Liza, estudante do período, e que frequentou a Escola Ana Vanda Bassara, em Guarapuava-PR. Essa investigação permitiu compreender parte da vida escolar da estudante, a construção de subjetividades, e perceber como as marcações de gênero foram utilizadas na reafirmação de uma educação que idealizou mulheres para serem donas de casa conforme características da sociedade da época. Através dessa observação também foi possível perceber como a proposta de ensino e as distinções sociais de gênero já existentes influenciaram na trajetória pessoal da estudante. Assim, este estudo contribui para outras investigações que busquem estabelecer comparações do ensino escolar de lugares e contextos históricos distintos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.
AREND, Silvia Maria Fávero. Convenção sobre os Direitos da Criança: em debate o labor infantojunvenil (1978 ‐ 1989). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 7, n. 14, p. 29 ‐ 47. jan./abr. 2015. p. 29-47.
_________________ . Meninas. Trabalho, escola e lazer. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. (Org.). Nova história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2013, p.65-83.
ARTIÉRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Estudos Históricos (Arquivos Pessoais). RJ: v. 11, n. 21, 1998. p. 09-32.
BRASIL. Decreto lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943. Consolidação das Leis do Trabalho.
________________ . Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº. 4.024 de 20 de dezembro de 1961.
________________ . Lei de Diretrizes e Bases da Educação nº. 5.692, de 11 de agosto de 1971.
BRITES, Jurema. Afeto, Desigualdade e Rebeldia: bastidores do serviço doméstico. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFRGS, Porto Alegre, 2001.
CASTANHO, Maria Eugênia. Sobre professores marcantes. In: CASTANHO, Sérgio e CASTANHO, M. E (orgs.). Temas e textos em metodologia do ensino superior. Campinas, Papirus, 2001. p. 153-163. p. 159.
LIZA, Entrevista. Guarapuava, (Paraná), 13 de mai. de 2015.
LIZA, Entrevista. Guarapuava, (Paraná), 30 de mar. de 2016.
GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolíticas: cartografias do desejo. 7ºedição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.
JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. España: Siglo Veintiuno editores, 2001.
MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 11-29.
OBERTI, Alejandra. Qué le hace el género a la memória? In: PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe (Orgs). Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2010, p. 13-30.
PERROT, Michelle. Praticas da Memória Feminina. Revista Brasileira de História. São Paulo: Anpuh, v. 9 nº.18, ago./ set. de 1989.
ROUSSO, Henry. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Rio de Janeiro: Ed. da FGV, 2016.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez., 1995.
SCOTT, Parry. Fluxos migratórios femininos, desigualdades, autonomização e violência. In: AREND, Silvia Maria Fávero; RIAL, Carmen Silvia de Moraes; PEDRO, Joana Maria. (org) Diásporas, mobilidades e migrações. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2011. p. 47-66.
Publicado
03-09-2020
Como Citar
Zaluski, J. L. (2020). Subjetividades de um ensino. Revista Educação Em Questão, 58(57). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2020v58n57ID20985
Seção
Artigos