Atuação dos aparelhos privados de hegemonia na implementação da BNCC nos estados da Região Sul

Palavras-chave: Governança em rede, Movimento Pela Base Nacional Comum, Base Nacional Comum Curricular, Aparelhos privados de hegemonia

Resumo

Neste artigo, discute-se o conceito de Aparelhos Privados de Hegemonia, com o intuito de compreender a atuação deles na implementação da Base Nacional Comum Curricular, aprovada pelo Ministério da Educação em dezembro de 2017. O texto tem por objetivo analisar propostas curriculares dos sistemas estaduais dos três estados da Região Sul, realçando procedimentos adotados para adequação das propostas curriculares estaduais à BNCC e o papel assumido pelo Movimento Pela Base Nacional Comum, enquanto um aparelho privado de hegemonia, na produção de constrangimentos às recontextualizações produzidas pelas redes de ensino. À guisa de conclusão, são realçados desafios às instituições de ensino na materialização de um currículo que garanta atendimento às funções sociais da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilda Pasqual Schneider, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Prof.ª Titular da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc) e do Programa de Pós-Graduação em Educação. É vice-coordenadora do programa. Investigadora convidada do Instituto Interuniversitario de Investigación Educativa (Iesed-Chile) e Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas de Avaliação Educacional e Accountability em países da América Latina.

Camila Regina Rotirola, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Prof.ª Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc). É Coordenadora Institucional do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) na Unoesc e integrante do Grupo de Pesquisa Educação, Políticas Públicas e Cidadania.

Referências

APPLE, Michael Whitman. Educação e poder. Tradução Maria Cristina Monteiro. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

APPLE, Michael Whitman. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. Tradução Dinah de Abreu Azevedo. 5. ed. São Paulo: Editora Cortez/ Instituto Paulo Freire, 2003.

APPLE, Michael Whitman. Ideologia e currículo. Tradução Vinicius Figueira. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

APPLE, Michael. Whitman. BURAS, Kristen L. (org.). Currículo, poder e lutas educacionais: com a palavra, os subalternos. Tradução Ronaldo Catado Costa. Porto Alegre: Artmed, 2008.

APPLE, Michael Whitman. A luta pela democracia na educação crítica. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 894-926, out./dez. 2017.

BALL, Stephen J. Educação Global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Tradução Janete Bridon. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BERNARDI, Liane Maria; UCZAK, Lucia Hugo; ROSSI, Alexandre José. Relações do movimento empresarial na política educacional brasileira: a discussão da Base Nacional Comum. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 1, p. 29-51, jan./abr. 2018.

BERNSTEIN, Basil. A estrutura do discurso pedagógico: classes, códigos e controle. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Luiz Fernando Gonçalves Pereira, Petrópolis: Vozes, 1996.

BIANCHI, Alvaro. O laboratório de Gramsci. Filosofia, História e Política. São Paulo: Alameda, 2008.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 22 dez. 2017, Seção 1, Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/resolucaocne_cp222dedezembrode2017.pdf. Acesso em: 26 jan. 2020.

BRASIL. Portaria nº 331, de 5 de abril de 2018. Institui o Programa de Apoio à Implementação da Base Nacional Comum Curricular - ProBNCC e estabelece diretrizes, parâmetros e critérios para sua implementação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 abr. 2018, Seção 1. Disponível em: http://www.in.gov.br/materia//asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/9362390/do1-2018-04-06-portaria-n-328-de-5-de-abril-de-2018-9362386. Acesso em: 28 jan. 2020.

BUCCI-GLUKSMANN, Cristiane. Gramsci e o Estado. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1980.

CAETANO, Maria Raquel. A educação no contexto de crise do capital e as relações entre estado, mercado e terceiro setor nas políticas educacionais. Laplage em Revista, Sorocaba, v. 4, n. 2, p.153-168, maio/ago. 2018.

CASIMIRO, Flávio Henrique Calheiros. A nova direita: aparelhos de ação política e ideológica no Brasil contemporâneo. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

CEDES. Centro de Estudos Educação e Sociedade. Documento Cedes BNCC, novembro 2015. Disponível em: www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 20 jan. 2020.

FONTES, Virgínia. O Brasil e o capital-imperialismo. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, 2010.

FREITAS, Luiz Carlos de. Reformadores e base nacional: personagens. Blog do Freitas, Campinas, 26 jul. 2015. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2015/07/26/reformadores-e-base-nacional-personagens-i. Acesso em: 25 jan. 2020.

GANDIN, Luís Armando; LIMA, Iana Gomes de. A perspectiva de Michael Apple para os estudos das políticas educacionais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 651-664, jul./set. 2016.

GATTI, Bernardete Angelina. A construção da Pesquisa em Educação no Brasil. Brasília: Liber Livro, 2012.

GOODSON, Ivor Frederick. A construção social do currículo. Tradução Maria João Carvalho. Lisboa: Educa, 1997.

GOODSON, Ivor Frederick. A crise da mudança curricular: algumas advertências sobre iniciativas de reestruturação. In: SILVA, Luís Heron da (org.). Século XXI: qual conhecimento? qual currículo? Petrópolis: Vozes, 1999.

GOODSON, Ivor Frederick. Currículo, narrativa e o futuro social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 35, p. 241-252, maio/ago. 2007.

GOODSON, Ivor Frederick. Currículo: teoria e história. Tradução Attílio Brunetta. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

HOEVELER, Rejane Carolina. O conceito de aparelho privado de hegemonia e seus usos para a pesquisa histórica. Revista Práxis e Hegemonia Popular, Marília, v. 4, n. 5, p. 145 -159, ago./dez. 2019.

LIGUORI, Guido. Roteiros para Gramsci. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth (org.). Disciplinas e integração curricular: histórias e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002a.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth (org.). Currículo: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002b.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS, André Silva. Burguesia e a nova sociabilidade: estratégias para educar o consenso no Brasil contemporâneo. 2007. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, 2007.

MENDONÇA, Sonia Regina de. O Estado ampliado como ferramenta metodológica. Marx e o Marxismo, v. 2, n. 2, jan./jul. 2014.

MORENO, Jean Carlos. História na Base Nacional Comum Curricular: Déjà vu e novos dilemas no século XXI. História & Ensino, Londrina, v. 22, n. 1, p. 7-27, jan./jun. 2016.

NEVES, Rosa Maria Correa das; PICCININI, Cláudia Lino. Crítica do imperialismo e da Reforma curricular brasileira da educação básica: evidência histórica da impossibilidade da luta pela emancipação da classe trabalhadora desde a escola do Estado. Germinal: marxismo e educação em debate, Salvador, v. 10, n. 1, p.184-206, maio 2008.

PACHECO, José Augusto. Estudos curriculares: para a compreensão crítica da educação. Porto: Porto Editora, 2005.

PARANÁ. Referencial Curricular do Paraná: princípios, direitos e orientações. Consed; Undime, 2018.

POPKEWITZ, Thomas S. Políticas Educativas e curriculares: abordagens sociológicas críticas. Tradução Joao M. Paraskeva. Mangualde-PO: Pedago, 2011.

RAMOS, Marise Nogueira. A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez, 2001.

RIO GRANDE DO SUL. Referencial Curricular Gaúcho: Educação Infantil. Porto Alegre: Secretaria de Estado da Educação, Departamento Pedagógico, 2018.

ROPÉ, Françoise, TANGUY, Lucie (org.). Saberes e competências: o uso de tais noções na empresa e na escola. Tradução Patrícia Chittoni Ramos e equipe. Campinas: Papirus, 1997.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ROSA, Luciane Oliveira da; FERREIRA, Valéria Silva. A rede do movimento pela base e sua influência na Base Nacional Comum Curricular brasileira. Revista Teoria e Prática da Educação, Maringá, v. 21, n. 2, p. 115-130, maio/ago. 2018.

SANTA CATARINA. Conselho Estadual de Educação. Resolução nº 070, de 17 de junho de 2019. Institui e orienta a implementação do Currículo Base da Educação Infantil e do Ensino Fundamental do Território Catarinense e normatiza a adequação à Base Nacional Comum Curricular dos currículos e propostas pedagógicas da Educação Infantil e do Ensino Fundamental no âmbito do Sistema Estadual de Educação de Santa Catarina. Florianópolis: Conselho Estadual de Educação, 2019a.

SANTA CATARINA. Currículo Base da Educação Infantil e do Ensino Fundamental do Território Catarinense. Florianópolis: Secretaria de Estado da Educação. Diretoria de Planejamento e Políticas Educacionais. Gerência de Políticas Educacionais, 2019b.

SCHNEIDER, Marilda Pasqual; NARDI, Elton Luiz. Pilares estruturantes da Base Nacional Comum Curricular da Educação Brasileira: subordinação à agenda global. Revista de Estudos Curriculares, Braga, n. 9, v. p. 45-61, 2018.

SHIROMA, Eneida Oto; Campos, Roselane Fátima; Garcia, Rosalba Maria Cardoso. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 427-446, jul./dez. 2005.

SHIROMA, Eneida Oto; Campos, Roselane Fátima; Garcia, Rosalba Maria Cardoso. Conversão das “almas” pela liturgia da palavra: uma análise do movimento Todos pela Educação. In: BALL, Stephen J.; MAINARDES, Jefferson. Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

SHIROMA, Eneida Oto; EVANGELISTA, Olinda. Estado, capital e educação: reflexões sobre a hegemonia e redes de governança. Revista Educação e Fronteiras On-Line, Dourados, v. 4, n. 11, p. 21-38, maio/ago. 2014.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

Publicado
16-09-2021
Como Citar
Schneider, M. P., & Rotirola, C. R. (2021). Atuação dos aparelhos privados de hegemonia na implementação da BNCC nos estados da Região Sul. Revista Educação Em Questão, 59(60). https://doi.org/10.21680/1981-1802.2021v59n60ID25485
Seção
Artigos