Processos de estereotipia: política, turismo e gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1517-7874.2023v25n3ID32216

Resumo

Os estereótipos e os processos de estereotipia são representações sociais (AMOSSY, 2022) presentes ao longo da história da humanidade que têm se intensificado no mundo com a influência da globalização e das mídias na formação individual e social do ser humano. Eles permeiam diferentes discursos. O discurso político e o discurso turístico, por exemplo, são terrenos férteis para a constituição e a circulação de imagens e representações estereotipadas de um país, um povo ou determinados sujeitos. Nesse sentido, a partir de uma abordagem teórico-metodológica dos estudos discursivos (FOUCAULT, 2008, 2009; AMOSSY, 2022; CHARAUDEAU; MAINGUENEAU, 2020), objetiva-se analisar práticas discursivas nas quais se manifestam:  i) estereótipos de países e sua relação com os meios de comunicação e propagação de imagens e identidades nacionais; ii) estereótipos de gênero e sexualidade no discurso do turismo; iii) estereótipos de gênero e violência política sobre mulheres candidatas e eleitas. O corpus é constituído por 3 imagens e 6 enunciados linguísticos extraídos e  da mídia online. Ao término dessas três etapas do desenvolvimento do trabalho, logra-se a compreensão dos fenômenos discursivos permeados por estereótipos e intolerância política (de gênero). Por fim, o presente trabalho aponta caminhos para a realização de novos estudos da linguagem, sobretudo os discursivos, evidenciando o entrecruzamento desses campos e conceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Severiano de Carvalho, Universidade do Estado da Bahia

Professora Adjunta do Universidade do Estado da Bahia (UNEB), atuando na graduação (no Curso de Licenciatura em Letras com habilitação em Língua Espanhola e Literaturas de Língua Espanhola) e na pós-graduação (no Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens - PPGEL/UNEB). Doutora em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Possui Mestrado em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Especialização em Língua Espanhola pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Licenciatura em Letras com habilitação em Língua Espanhola e Literaturas de Língua Espanhola, também pela UNEB. É ainda professora efetiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA - Campus Santo Amaro), onde leciona o idioma espanhol para o Ensino Básico, Técnico e Tecnológico e participa como membro do Grupo de Pesquisa Diálogos em Línguas Adicionais e Tecnologias - DIALATEC/IFBA. Tem experiência, desenvolve pesquisas, orienta estudos de Conclusão de Curso, Iniciação Científica e Mestrado, além de possuir textos publicados, nas áreas de Argumentação e Análise do Discurso. É uma das líderes do Grupo de Investigação Letras Hispânicas em Foco (LEHISP/UNEB/CNPq) e coordenadora da Linha de Pesquisa Lingua(gem), Texto e Discurso de Língua Espanhola. Autora do livro: OS PROCESSOS DE ESTEREOTIPIA NA REPRESENTAÇÃO DISCURSIVA DO BRASIL NA ESPANHA (APPRIS, 2022).

Geisa Fróes de Freitas, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

Professora de Língua Portuguesa do Departamento Acadêmico de Letras Vernáculas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia - IFBA (campus Salvador) Doutora em Língua e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia (PPGLinC/UFBA); Possui Mestrado em Língua e Cultura (PPGLinC/UFBA/CAPES) e Especialização em Estudos Linguísticos e Literários também pela UFBA. É Graduada em Licenciatura em Letras com dupla habilitação em Línguas Portuguesa e Francesa pela Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS. Desenvolve pesquisas no campo da Análise de Discurso e da Semiologia histórica com ênfase em Discurso Político, Violência de Gênero e Redes Sociais. É membro do Laboratório de Estudos do Discurso, História e Estrangeiridades da UFS; É membro do Grupo de Pesquisa Diálogos em Línguas Adicionais e Tecnologias - DIALATEC/IFBA. É membro associado da ALED - Brasil Associação Latino-americana de Estudos do Discurso. Coordena o projeto CIIF de Língua Portuguesa e orienta os estagiários da área; Atuou também como Professora Formadora e Orientadora de Monografia no curso de Licenciatura em Letras do Programa de Formação de Professores da Educação Básica PARFOR- Plataforma Freire UNEB - Campus IX, Barreiras-BA. Além disso, foi membro do grupo de avaliadores dos cursos dos catálogos da Educação Profissional SETEC/MEC. Possui experiência internacional em Educação em Angola, no Instituto Médio Agrário do Andulo-Bié. Possui experiência internacional de intercâmbio na França.

Jocenilson Ribeiro, Universidade Federal de Sergipe

Professor Adjunto na Universidade Federal de Sergipe (UFS), atuando na graduação do Departamento de Letras Vernáculas (DLEV) e no Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL/UFS). Tem Mestrado e Doutorado em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), com estágio doutoral na Université Sorbonne Nouvelle-Paris III, sob orientações de Christian Puech. Tem interesses epistemológicos nos seguintes temas: semiologia histórica, história das representações de línguas e linguagens, estudos do discurso, análise do discurso, português para falantes de outras línguas (PFOL, PLE, PLA, PLNM). Seus atuais objetos de pesquisas são estrangeiridade, ódio ao estrangeiro, xenofobia, glotofilia, glotofobia e discursos sobre migrações no Brasil. Membro do Labor - Laboratório de Estudos do Discurso da UFSCar e do GEDIR - GEDIR - Grupo Interinstitucional de Estudos de Discursos e Resistências (UFPB, UFSCar, UFS, UFU). É líder do Laboratório de Estudos de Discurso, História e Estrangeiridades (imaGine/CNPq). Autor do livro “Xenofobia e intolerância linguística: discursos sobre estrangeiridade e hostilidade brasileira” (Pontes, 2022).

Downloads

Publicado

05-10-2023

Como Citar

SEVERIANO DE CARVALHO, C.; FRÓES DE FREITAS, G.; RIBEIRO, J. Processos de estereotipia: política, turismo e gênero. Revista do GELNE, [S. l.], v. 25, n. 3, p. e32216, 2023. DOI: 10.21680/1517-7874.2023v25n3ID32216. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/gelne/article/view/32216. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Edição Especial 2023 - Linguagens sem fronteiras no mundo pós-pandêmico - Trabalhos selecionados da 29ª Jornada do GELNE