Decolonizar a História da Educação: contribuições teóricas dos estudos subalternos e do pensamento decolonial

  • Vitor Sousa Cunha Nery Universidade do Estado do Amapá / UEAP
  • Cristiane do Socorro dos Santos Nery Universidade Federal do Amapá / UNIFAP - Campus Oiapoque.
  • Alder de Sousa Dias Universidade Federal do Amapá / UNIFAP - Campus Mazagão
Palavras-chave: Estudos Subalternos, Decolonialidade, História da Educação

Resumo


Neste artigo, analisa-se possíveis contribuições dos estudos subalternos e decoloniais para a pesquisa em História da Educação. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, fundamentada em autores como Guha (2011), Chakrabarty (2000), Spivak (2010), Beverley (2004), Mallon (1995), Dussel (2008; 2016), Quijano (2005), Mignolo (2002, 2003, 2004, 2007), Walsh (2012), Grosfoguel (2016), Streck (2007), Mota Neto (2015), entre outros. Conclui-se que a relação entre os estudos subalternos, a decolonialidade e a História da Educação tem potencial crítico para (re)interpretar dados históricos e educacionais, dando visibilidade para os grupos subalternizados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vitor Sousa Cunha Nery, Universidade do Estado do Amapá / UEAP

Doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Educação na modalidade sanduíche (UEPA/PUC-Rio). Professor de História da Educação da Universidade do Estado do Amapá (UEAP), Líder do Grupo de Estudos, Pesquisas e Práticas em Educação na Amazônia Amapaense (GEPEA) e Integrante da Rede de Pesquisas sobre Pedagogias Decoloniais na Amazônia (RPPDA). Sócio da Sociedade Brasileira de História da Educação (SBHE) e da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED).

Cristiane do Socorro dos Santos Nery, Universidade Federal do Amapá / UNIFAP - Campus Oiapoque.

Docente do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Doutoranda em Educação em Ciências e Matemáticas pela Universidade Federal do Amapá (UFPA). Mestre em Educação e Graduada em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (UEPA). Líder do Grupo de Estudos, Pesquisas e Práticas Interculturais em Ciências da Natureza e Matemática (GECIM/UNIFAP). Membro da Rede de Pesquisa sobre Pedagogias Decoloniais na Amazônia (RPPDA). Membro do Grupo de Pesquisa sobre Práticas Socioculturais e Educação Matemática (GPSEM/UFPA).

Alder de Sousa Dias, Universidade Federal do Amapá / UNIFAP - Campus Mazagão

Doutorando em Educação (UFPA), Mestre em Educação (UEPA), Especialista em Filosofia da Educação pelo (UFPA) e Graduado em Pedagogia pela UEPA. Professor Assistente do Curso de Licenciatura em Educação do Campo da Unifap – Campus Mazagão. Pesquisador dos grupos de pesquisa “Amazônia Sustentável” (Unifap/CNPq) e “Gepea” (UEAP/CNPq) e integrante da “Rede de Pedagogias Decoloniais na Amazônia” (RPPDA).

Referências

Beverly, John. (2004). Subalternidad y Representación: debates en teoría cultural. Madrid, Espanha: Iberoamericana Vervuert.
Chakrabarty, Dipesh. (2011). Estudios subalternos e historiografía postcolonial. In Freire, Raúl Rodríguez (Comp.). La (re)vuelta de los Estudios Subalternos. Una cartografía a (des)tiempo, Antofagasta. Santiago, Chile: Ocho Libros/Universidad Católica del Norte, 334-357.
Chakrabarty, Dipesh. (2000). Provincializing Europe. Postcolonial Thought and Historical Difference. Princeton: Princeton University Press.
Dussel, Enrique. (2008). Meditaciones anti-cartesianas: sobre el origen del anti-discurso filosófico de la Modernidad. Tabua Rasa, Bogotá, Colômbia, 9, 153-197.
Dussel, Enrique. (2016). Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Soc. Estado, Brasília, 31(1).
Grosfoguel, Ramón. (2008). “La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um manifiesto y un caso”. Tabula Rasa, Bogotá,Colômbia, 8, 243-282.
Grosfoguel, Ramón. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídio do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, 31(1).
Guha, Ranajit. (2011). Prefácio a los estudos subalternos. In Freire, Raúl Rodríguez (comp.). La (re)vuelta de los Estudios Subalternos. Una cartografía a (des)tiempo, Antofagasta. Santiago: Ocho Libros, Universidad Católica del Norte, 69-79.
Mallon, Florencia. (1995). Promesa y dilema en los estudios subalternos: perspectivas a partir de los estudios latino-americanos, Boletín del Instituto de Historia Argentina y Americana Dr. E. Ravignani, FFyL-FCE, Buenos Aires, Argentina, 12, 87-116.
Mignolo, Walter. (2003). História locais / Projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte, Brasil: UFMG.
Mota Neto, João Colares da. (2015). Educação popular e pensamento decolonial latino-americano em Paulo Freire e Orlando Fals Borda. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Pará, Instituto de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Belém, Pará, Brasil.
Oliveira, Luiz Fernandes. (2012). História da África e dos africanos na escola: desafios políticos, epistemológicos e identitário para a formação dos professores de História. Rio de Janeiro, Brasil: Imperial Novo Milênio.
Oliveira, Luiz Fernandes de & Candau, Vera Maria ferrão. (2013). Pedagogía decolonial y educación anti-racista e inter-cultural en Brasil. In Walsh, Catherine (Org.) Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya Yala, 273-303.
Quijano, Anibal. (2005). Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In Lander, Edgardo. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. CLACSO, 227-278.
Quijano, Aníbal. (2010). La crisis del horizonte de sentido colonial/moderno/eurocentrado. Revista Casa de Las Américas. Cuba, 259-260, 4-15.
Santos, Boaventura de Sousa. (2009). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In Santos, Boaventura de Sousa & Meneses, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Almedina, 23-71.
Saviani, Dermeval, Rama, German & Weinberg, Gregório. (1996). Para uma História da Educação Latino Americana. Campinas, Brasil: Autores Associados.
Schueler, Alessandra Frota Martinez de. (2014). Educação, experiência e emancipação: contribuições de e. P. Thompson para a história da educação. Trabalho Necessário, Niterói, UFF, 12, 18.
Spivak, Gayatri Chakravorty. (2010). Pode o subalterno falar?. Tradução de Sandra R. Goulart Almeida, Marcos Feitosa, André Feitosa. Belo Horizonte, Brasil: Editora UFMG.
Streck, Danilo Romeu. (2007). Educação em Nossa América: textos selecionados. Ijuí: Unijuí.
Streck, Danilo Romeu, Moretti, Cheron Zanini & Adams, Telmo. (2010). Pensamento pedagógico em nossa América: uma introdução. In Fontes da pedagogia latino-americana: uma antologia. Belo Horizonte, Brasil: Autêntica, 19-36.
Walsh, Catherine. (2012). Interculturalidad crítica y (de)colonialidad: ensayos desde Abya Yala. Quito, Equador: Abya Yala.
Weinstein, Barbara. (2003). História sem causa? A nova história cultural, a grande narrativa e o dilema pós-colonial. História, Franca, 22(2), 185-210.
Publicado
27-07-2020
Como Citar
Nery, V. S. C., Nery, C. do S. dos S., & Dias, A. de S. (2020). Decolonizar a História da Educação: contribuições teóricas dos estudos subalternos e do pensamento decolonial. History of Education in Latin America - HistELA, 3, e21799. https://doi.org/10.21680/2596-0113.2020v3n0ID21799
Edição
Seção
Artigos