A pessoa com deficiência no curso da história: aspectos sociais, culturais e políticos

  • Ronaldo Rodrigues Moises Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
  • Daniel Stockmann Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Conceito de Deficiência, Educação, História

Resumo


Este artigo investiga concepções e tratativas sobre as pessoas com deficiência, em um recorte temporal iniciado com os primeiros registros históricos mundiais sobre essa temática até a retomada da democracia brasileira em 1985. Trata-se de uma revisão bibliográfica com perspectiva de análise crítica, realizada por meio de obras que investigam a história da pessoa com deficiência, da educação especial e da educação, de forma geral. Os resultados demonstraram que a história da pessoa com deficiência foi fruto de suas condições materiais de existência tendo, todavia, uma temporalidade paralela quando comparada às pessoas consideradas “normais”, no que concerne à oferta de atendimentos e práticas formativas. Conclui-se que à pessoa com deficiência foi imposto, primariamente, provar-se (que tal, afirmar-se como ser) humano para poder viver e desfrutar das riquezas socialmente produzidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Rodrigues Moises, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Brasil

Daniel Stockmann, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, Brasil

Referências

  • Aristóteles. (2001). Política. Rio de Janeiro: Martin Claret.

  • Aristóteles. (2001). Ética a Nicômaco. São Paulo – SP: Martin Claret.

  • Bonavides, P. (2000). A evolução constitucional do Brasil. Estudos avançados, 14(40), 155-176.

  • Borges, A. A. P. (2015). As classes especiais e Helena Antipoff: uma contribuição à história da educação especial no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, 21(3), 345-362.

  • Brasil. Resolução CNE/CEB 4/2009. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 2009, Seção 1, p. 17.

  • Cambi, F. (2002). História da pedagogia. Unesp.

  • Elias, N. (1994). A Sociedade dos Indiv’duos. Zahar.

  • Engels, F. (1932). Anti-duhring; filosofía, economía, política, socialismo (No. 04; HX276, E5.).

  • Figueira, E., No Silêncio, C. (2008). Uma introdução à Trajetória das Pessoas com Deficiência na História do Brasil-Giz Editora. São Paulo.

  • Jannuzzi, G. D. M. (2005). A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Cadernos de Pesquisa, 35(124), 255-256.

  • Kramer, H. (1997). O martelo das feiticeiras. Editora Best Seller.

  • Locke, J., & Aiex, A. (1999). Ensaio acerca do entendimento humano.

  • Manacorda, M. A. (2004). História da Educação: da antiguidade aos nossos dias. 7. Ed. São Paulo - SP, Cortez, 2004.

  • MANIFESTO DOS PIONEIROS DA EDUCAÇÃO NOVA. Revista Histedbr online.

  • Campinas, n. especial. p. 188-204. 1932 – ago. 2006. Disponível em

  • Mazzotta, M. J. S. (2003). Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

  • Moises, R. R. (2019). Ginástica e Educação Física no Instituto Benjamin Constant de 1930 a 1979: entre a conformação e a formação humanística da pessoa cega. Tese (doutorado em educação) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2019. Disponível em: <https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12661 >. Acesso em 30 de abril de 2020.

  • ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU), A Carta das Nações Unidas, 1945. Disponível em <https://nacoesunidas.org/carta/>. Acesso em 18 de abril de 2020.

  • Pessotti, Isaías. (1984). Deficiência mental: Da Superstição a Ciência. São Paulo: Queiroz.

  • Platão. (2001). A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

  • Platão. (1996). A República. Trad. Elza Moreira Marcelina. Brasilia: Universidade de Brasília, 1996.

  • Pletsch, M. D. (2014). Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Rio de Janeiro: NAU; EDUR.

  • Plutarco. (1985). Vidas paralelas Vol. I: Teseo, Rómulo, Licurgo, Numa. [Introducción traducción y notas de Aurelio Pérez]. Madrid: Gredos.

  • Silva, O. M. (1987). A epopeia ignorada – A História da Pessoa Deficiente no Mundo de Ontem e de Hoje, São Paulo, Cedas.

  • Vigotski, L., S. (1998). Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fonte.

Publicado
20-06-2020
Como Citar
Moises, R. R., & Stockmann, D. (2020). A pessoa com deficiência no curso da história: aspectos sociais, culturais e políticos. History of Education in Latin America - HistELA, 3, e20780. https://doi.org/10.21680/2596-0113.2020v3n0ID20780
Edição
Seção
Dossiê