Interpretes do passado e do presente: a arte de historiadores da educação e arquivistas

  • Diana Vidal IEB/FE USP
  • José Cláudio Sooma Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo


Conferir sentido aos tempos pretéritos não é uma tarefa exclusiva de historiadores. É um ato constitutivo das artes de escritores, curadores de exposições, diretores de documentários, roteiristas e cenógrafos, reencenadores. Mas não apenas, é também um elemento integrante da prática de historiadores da educação e arquivistas, de sujeitos que ao longo da vida colecionam registros, do exercício da educação patrimonial por parte de professores e de organizadores de museus escolares. Circunscrevendo a discussão ao ofício de historiadores da educação e arquivistas, estruturamos o artigo em duas partes. A primeira parte se concentra na narrativa historiográfica em educação, tomando um exemplo da história brasileira da educação. A segunda trata de algumas das dimensões presentes nos atos de arquivamento, concentrando-se particularmente na materialidade dos documentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diana Vidal, IEB/FE USP

Universidade de São Paulo

José Cláudio Sooma Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Referências

  • Bloch, M. (2001). Apologia à história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

  • Burke, P. (2001). New Perspectives on Historical Writing. Cambridge: Polity Press.

  • Carvalho, M.; Vidal, D. (2001). Mulheres e Magistério Primário: tensões, ambiguidades e deslocamentos. In: M.L. Hilsdorf, D. Vidal (eds.). Brasil 500 anos: tópicas em História da Educação (pp. 205-224). São Paulo: EDUSP.

  • Castells, M. (2006). A Sociedade em Rede: do conhecimento à política. In: G.Cardoso, M.Castells (eds.). A Sociedade em Rede: do conhecimento à acção política (pp. 17-30). Belém (Portugal): Imprensa Nacional.

  • Catani, D. B., Faria Filho, L. M. (2002). Um lugar de produção e a produção de um lugar: a história e a historiografia divulgadas no GT História da Educação da ANPEd (1985-2000). Revista Brasileira de Educação, 19: 113-128.

  • Chalhoub, S. (1990). Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras.

  • Darnton, R (1999). The Great Cat Massacre and Other Episodes in French Cultural History. New York: Basic Books.

  • De Certeau, M. (1988). The Writing of History. New York: Columbia University Press.

  • Farge, A. (1989). Le gout de l’archive. Paris: Ed. Seuil.

  • Foucault, M. (1975). Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

  • Foucault, M. 2012). Du gouvernement des vivants. Paris: EHESS.

  • Genovese, E.; Roll, J. Roll: The World the Slaves Made. New York, Pantheon Books.

  • Le Goff, J. (1984). "Memória". In: Enciclopédia Einaudi, vol. 1, História-Memória. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, p. 11-50.

  • Moraes, F. (2015). O processo de escolarização pública na Vila de Cotia no contexto cultural caipira (1870-1885). Dissertação de mestrado – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

  • Nora, P. (1993). "Entre memória e história: a problemática dos lugares". Projeto História. São Paulo (10): 7-28, dez.

  • Pimenta, R. (2017). Nosso futuro em um post. Cultura da velocidade, big data e o novo desafio do “peixe” para os historiadores da era digital. Revista Transversos, 11:9-22.

  • Schueler, A. (2002). Formas e Culturas Escolares na Cidade do Rio de Janeiro: representações, experiências e profissionalização docente em escolas públicas primárias (1870-1890). Tese (Doutorado), UFF, Niterói.

  • Schwarcz, L. (1987). Retrato em branco e negro: jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no fim do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras.

  • Scott, R. (1985). Slave Emancipation In Cuba: The Transition to Free Labor, 1860–1899. University of Pittsburgh Press.

  • Silva, A. M. P. da. (2000). Aprender com perfeição e sem coação: uma escola para meninos pretos e pardos na Corte. Brasília: Editora Plano.

  • Silva, A. M. P. da. (2007). Processos de construção das práticas de escolarização em Pernambuco, em fins do século XVIII e primeira metade do século XIX. Recife: Editora Universitária UFPE.

  • Slenes, R (1999). Na Senzala uma Flor: Esperanças na Formação da Família Escrava. Brasil Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

  • Vidal, D. (2008). “Mapas de frequência a escolas de primeiras letras: fontes para uma história da escolarização e do trabalho docente em São Paulo na primeira metade do século XIX.” Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, v. 17, p.41-67.

  • Warnier, J. (1999). Construire la culture matérielle. L’homme qui pensait avec ses doigts. Paris: Presses Universitaires de France.

Publicado
19-05-2020
Como Citar
Vidal, D., & Silva, J. C. S. (2020). Interpretes do passado e do presente: a arte de historiadores da educação e arquivistas. History of Education in Latin America - HistELA, 3, e20951. https://doi.org/10.21680/2596-0113.2020v3n0ID20951
Edição
Seção
Artigos