Expert, intelectual e/ou polímata? Uma contribuição para a História da Educação Matemática

  • Oscar Silva Neto Universidade Federal de Santa Catarina e Instituto Federal de Santa Catarina
  • David Antonio da Costa Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Experts, Intelectuais, Polímatas

Resumo


O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (Capes) - Código de Financiamento 001 e surgiu do desdobramento de uma pesquisa de doutorado em andamento que tem o objetivo de problematizar os conceitos de expert, intelectual e polímata, no intuito de auxiliar as pesquisas no âmbito da História da Educação Matemática. Foram utilizados referenciais teórico-metodológicos como Hofstetter e Schneuwly (2017), para definir experts; Vieira (2011), para definir intelectuais; e Burke (2011; 2016) para definir polímatas. Os estudos mostram que cada vocábulo possui uma definição própria, com características que lhes são peculiares e que não são tratados como sinônimos, tampouco como antônimos. Eles simplesmente possuem funções diferentes e o que importa, na realidade, é perceber o conhecimento que produzem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oscar Silva Neto, Universidade Federal de Santa Catarina e Instituto Federal de Santa Catarina

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006). Especialista em Gestão Educacional e Metodologia do Ensino Interdisciplinar pela Faculdade Dom Bosco de Ubiratã (2007). Mestre em Ensino de Matemática, pelo Programa da Pós-Graduação em Ensino de Matemática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2015). Membro do GEPEM-IFSC - Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Matemática (IFSC) e do GHEMAT/SC - Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática - Santa Catarina. Atualmente é professor do ensino básico, técnico e tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Câmpus Florianópolis. Atualmente, desenvolve estágio de doutorado sanduíche na qualidade de Boursier Dexcellence na Faculté de psychologie et sciences de léducation da Université de Genève (UNIGE), em Genebra, Suíça.

David Antonio da Costa, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação Matemática pela PUC/SP, com estágio realizado na modalidade sanduíche (junho 2008 - maio 2009) no INRP/SHE - Institut National de Recherche Pédagogique/Service d'Histoire de l'Éducation, Paris-França (bolsista CNPq). Possui graduação em Licenciatura Matemática pela Faculdade Filosofia Ciências e Letras MOEMA (1984), graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação Ciências e Letras Don Domênico (2001) e mestrado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2005). Atualmente é professor adjunto do Departamento de Metodologia de Ensino e subcoordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da Universidade Federal de Santa Catarina. É pesquisador lider do Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática - GHEMAT-SC 

Referências

Bertini, L. de F.; Morais, R. dos S. & Valente, W. R. (2017). A matemática a ensinar e a matemática para ensinar: novos estudos sobre a formação de professores. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Burke, P. (2011). O polímata: a história cultural e social de um tipo intelectual. Tradução de Ezequiel Theodoro da Silva. Leitura: Teoria e Prática, 29(56), 4-10.

Burke, P. (2016). O que é história do conhecimento? Tradução Cláudia Freire (1 ed.). São Paulo: Editora UNESP.

Conceição, G. L. da. (2019). Experts em educação: circulação e sistematização de saberes geométricos para a formação de professores (Rio de Janeiro, final do século XIX) (Tese de Doutorado). Retirado de .

Furetière, A. (1702a). Dictionnaire universel, contenant généralement tous les mots françois tant vieux que modernes, & les termes des sciences et des arts. Tome 1. 2e édition revue, corrigée et augmentée par M. Basnage de Bauval. Bibliotheque Nacional de France : A La Haye et à Rotterdam.

Furetière, A. (1702b). Dictionnaire universel, contenant généralement tous les mots françois tant vieux que modernes, & les termes des sciences et des arts. Tome 2. 2e édition revue, corrigée et augmentée par M. Basnage de Bauval. Bibliotheque Nacional de France : A La Haye et à Rotterdam.

Hofstetter, R. & Schneuwly, B. (2014). Disciplinarisation et disciplination consubstantiellement liées. Deux exemples prototypiques sous la loupe: les sciences de l’éducation et des didactiques des disciplines. In Balz Engler (Hrsg/Éd.), Disziplin-Discipline pp. 27-46. Fribourg: Academic Press.

Hofstetter, R. & Schneuwly, B. (2017). Disciplinarização e disciplinação: as ciências da educação e as didáticas das disciplinas sob análise. In R. Hofstetter & W. R. Valente (Orgs.), Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores (1. ed.). São Paulo: Editora Livraria da Física.

Hofstetter, R., Schneuwly, B. & Freymond, M. de. (2017). “Penetrar na verdade da escola para ter elementos concretos de sua avalição” – A irresistível institucionalização do expert em educação (século XIX e XX). In R. Hofstetter & W. R. Valente (Orgs.), Saberes em (trans)formação: tema central da formação de professores (1. ed.). São Paulo: Editora Livraria da Física.

Institut de France. (1878). Dictionnaire de l’Académie Français. Septième Édition. Tome Second I-Z. Paris: Librairie de Firmin-Didot et Cie, Retirado de .

Machado, M. C. G., Dorigão, A. M. & Coelho, G. F. (2016). As pesquisas com intelectuais em História da Educação: um campo profícuo. Revista HISTEDBR On-line, 67, 175-188, Retirado de .

Morais, R. dos S. (2018). Experts. In W. R. Valente (Org.). Cadernos de Trabalho II, v. 6. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Morais, R. dos S. (2019). “Intelectual? Não”, expert. Acta Scientiae, 21(n. especial), 3-12, Retirado de .

Soares Júnior, J. R. (2016). Peter Burke um historiador da cultura e da sociedade: as muitas faces de um intelectual polímata. (Dissertação de Mestrado). Retirado de .

Tochon, F. V. (2004). Autour des mots – le nouveau visage de lénseignant expert. In F. V. Tochon (rédacteur em chef invité). Recherche et Formation – pour les professions de l’education. La construction de L’Expert (Revue Éditée par L’INPP) pp. 89-104. Paris/Lyon. Retirado de .

Valente, W. R. (2020). O GHEMAT-Brasil e a pesquisa coletiva em história da educação matemática. Historia y Memoria de la Educación, 11, 595-613. Retirado de .

Vieira, C. E. (2011). Erasmo Pilotto: identidade, engajamento político e crenças dos intelectuais vinculados ao campo educacional brasileiro. In J. L. Leite & C. Alves (Org.). Intelectuais e história da educação no Brasil: poder, cultura e políticas. Vitória: EDUFES.

Vieira, C. E. (2015). Intelectuais e Educação. Pensar A Educação em Revista, 1(1), 3-21, Retirado de .

Vieira, C. E. (2008). Intelligentsia e intelectuais: sentidos, conceitos e possibilidades para a história intelectual. Revista Brasileira de História da Educação, 8(1), 63-85.
Publicado
14-12-2020
Como Citar
Silva Neto, O., & cOSTA, D. A. da. (2020). Expert, intelectual e/ou polímata? Uma contribuição para a História da Educação Matemática. History of Education in Latin America - HistELA, 3, e23450. https://doi.org/10.21680/2596-0113.2020v3n0ID23450
Edição
Seção
Artigos