Estigma e paradoxo:

o desvio e a exclusão em uma Escola Freinet

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1982-1662.2022v5n34ID28066

Palavras-chave:

Desvio, Estigma, Exclusão, Pessoas com deficiência

Resumo

O presente trabalho visa a explicitar o problema da exclusão dentro de uma Escola Libertária Freinet, a Camafeu. O problema da exclusão é visto sob a ótica de dois sistemas conceituais, o de Gilberto Velho: “Desvio e Divergência” (1979) e o de Erving Goffman: “Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada” (2004). O trabalho se relaciona a dois conceitos desses autores: o desvio e o estigma, respectivamente. Dentro desses dois agentes conceituais discursivos, trabalhamos o desvio como algo que foge à regra vigente, seja pela via do sujeito, seja pela via institucional. Já o estigma é aplicado aos sujeitos como algo ou aquilo que não corresponde às expectativas vigentes da norma social – as pessoas portadoras de alguma deficiencia (física, mental ou intelectual), por exemplo. São dentro desses dois planos (desvio e estigma) que observamos, pois, a exclusão dos estudantes. Através das práticas de sociabilidade observadas na Escola, desenvolvemos uma observação na qual foi possível utilizar-se de questionários e vivências in loco, com base no exercício etnográfico, em um período de 10 meses. Foram investigadas as moralidades que permeiam o espaço escolar e levantada a questão: “é possível haver exclusão social dentro de um espaço libertário?”. A principal hipótese é que por mais que a instituição seja libertária e tipicamente desviante, ela não resolve o problema da exclusão, pois as grandes transformações viriam, na verdade, das relações estabelecidas no interior das salas entre os próprios alunos e não pela pretensa metodologia inclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Dantas Lemos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Possui graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000), mestrado (2006) e doutorado (2012) em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Professor Classe D - Associado 1 no Departamento de Comunicação Social e no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Daniel coordena o Grupo de Pesquisa Comunicação, Cultura e Mídia e os projetos de pesquisa do Atelier de Análise do Discurso. São seus temas de interesse: ética, ética jornalística, análise do discurso da mídia, comunicação organizacional.

Giovanna Duarte da Silva Mantuano, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestranda em Ensino de Ciências Humanas e Sociais pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. (2019) Estudante de Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Tem interesse pela área de Educação Libertária. Ensino Médio e Antropologia do desvio. Atualmente faz parte do grupo de pesquisa NEED - Núcleo de Estudos em Educação. 

Referências

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. Tradução por Angela S. M. Corrêa. São Paulo: Contexto, 2006.

DANTAS, Daniel. A argumentação como elemento discursivo na mídia digital: um estudo sobre o blog “Fatos e dados”. Natal, RN: UFRN, 2012 (tese de doutorado).

DIJK, Teun A. Van. Discurso e poder. Judith Hoffnagel, Karina Falcone (Org). 2a Ed. São Paulo: Contexto, 2015.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução por Laura Fraga de Almeida Sampaio. 17a Ed. São Paulo: Loyola, 2008.

FOUCAULT, Michel. Os corpos dóceis. In: FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 34. Ed. Petrópolis, Rj : Vozes, 2007.

FREINET, Célestin. As técnicas Freinet da Escola Moderna. Editorial Estampa, 1976. Coleção técnicas de educação. Tradução de Silva e Letra. Título Original: Les techniques Freinet de l'école moderne, 1964.

GOFFMAN, Erving. Estigma e identidade social. In: GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada, 4.ed. Tradução por Mathias Lambert. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2004.

GOFFMAN, Erving. As características das instituições totais. In: GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Tradução: Dante Moreira Leite. Editora: Perspectiva, São Paulo, 1961.

LEMOS, Daniel Dantas. et al. Tudo começa aqui? A anulação da presença dos povos indígenas no RN e a vitória do invasor branco retratadas pelas escolhas lexicais em canais de comunicação do destino Rio Grande do Norte. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.11, p. 104067-104089 nov. 2021. Disponível em: https://brazilianjournals.com/ojs/index.php/BRJD/article/view/39342/pdf. Acesso em: 29 dez 2021.

VELHO, Gilberto (org). Desvio e divergência: uma crítica da patologia social. 3ª. ed. Zahar, Rio de Janeiro, 1979.

Downloads

Publicado

21-10-2022

Como Citar

DANTAS LEMOS, D.; DUARTE DA SILVA MANTUANO, G. Estigma e paradoxo:: o desvio e a exclusão em uma Escola Freinet. Revista Inter-Legere, [S. l.], v. 5, n. 34, p. c28066, 2022. DOI: 10.21680/1982-1662.2022v5n34ID28066. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/28066. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS