Processo de captação de conhecimento

um estudo em indústrias do Estado do Paraná

  • Aguinaldo Ferreira Santos UFPR
  • Edelvino Razzolini Filho Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Conversão de conhecimento, Conhecimento Tácito, Conhecimento Explícito, Aprendizagem Organizacional, Gestão do Conhecimento

Resumo

O objetivo deste texto foi verificar como indústrias de transformação no Estado do Paraná, que utilizam o Sistema Toyota de Produção, realizam o processo de captação e retenção de conhecimento dos seus colaboradores. O que embasa e justifica o estudo é a importância que existe em conhecer o cenário em que as empresas estão inseridas, seus concorrentes, suas dificuldades e pontos de melhoria. Para atingir o objetivo e esclarecer o problema proposto adotou-se uma metodologia quantitativa, com dados primários obtidos pela pesquisa aplicada e dados secundários obtidos da observação das empresas através de sítios on-line. O estudo foi realizado em indústrias de transformação, com mais de vinte funcionários, no Estado do Paraná. Em relação aos resultados verificou-se que os respondentes, de uma forma geral caracterizam a empresa em que trabalham como um potencial captador das informações em forma de conhecimento adquirido e, ainda, que são registrados para uso futuro, em forma de “lições aprendidas”. Restou evidenciado que as empresas respondentes da pesquisa utilizam de ferramentas para captar e reter o conhecimento de seus colaboradores. Além disso, foi possível caracterizar as empresas como facilitadoras de ambientes de troca de conhecimento entre os funcionários, pois existe disponibilização de espaços para a socialização dos funcionários, como preconiza o modelo SECI de Nonaka e Takeuchi (1997). Por fim, a pesquisa evidenciou que os respondentes apontam suas empresas como “facilitadoras” da gestão do conhecimento e sua respectiva conversão, aplicando o modelo SECI de gestão do conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTIN, M. R. Administração da produção e operações. Curitiba: Intersaberes, 2016.

ALVARENGA NETO, R. C. D. Gestão do Conhecimento em Organizações:

Proposta de Mapeamento Conceitual Integrativo. São Paulo: Saraiva, 2008.

ANGELONI, M. T. (coord.) Organizações do conhecimento: infraestrutura, pessoas e tecnologias. São Paulo: Saraiva, 2002.

ANTONELLO, C. S. et al. Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011.

BARBOSA, R. R. Gestão da informação e do conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Inf. Inf., Londrina, v. 13, n. esp., p. 1-2 5, 2008.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. 2. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

KREINER, K. Tacit Knowledge management: the role of artifacts. Journal of Knowledge management. v. 6. n. 2. 2002. p. 112-123.

MURRAY, B. A. Revolução total dos processos: estratégias para maximizar o valor do cliente. São Paulo: Nobel, 1996.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 9. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

POLANYI, M. The tacit dimension. London: Routledge & Kegan Paul, 1966.

ROHAN, M. J. A Rose by any name? the values construct. Personality and Social Psychology Review, v. 4, n. 3, p. 255-277, 2000.

SANTIAGO JÚNIOR, J. R. S. Gestão do conhecimento: A chave para o Sucesso Empresarial. São Paulo: Novatec Editora, 2004.

SILVA, E. L., MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

VON KROGH, G; ICHIJO, K; NONAKA, I. Facilitando a criação de conhecimento: reinventando a empresa com o poder da criação contínua. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

Publicado
22-07-2020
Como Citar
SANTOS, A. F.; RAZZOLINI FILHO, E. Processo de captação de conhecimento. Revista Informação na Sociedade Contemporânea, v. 4, n. 1, p. e19899, 22 jul. 2020.