Gastronomia da italianidade: diversidade, tradição e inovação em Antônio Prado, Brasil

  • Susana Gastal Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, Brasil
  • Ana Maria Costa Beber Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, Brasil
  • Felipe Zaltron de Sá Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, Brasil
Palavras-chave: Turismo Gastronômico. Inovação. Diversidade Cultural. Antônio Prado, RS, Brasil.

Resumo

Localizado no sul do Brasil, o município de Antônio Prado teve seu momento inicial na última década do século XX, marcado pela presença de imigrantes da Península Itálica, de onde trouxeram, entre outros, hábitos alimentares. Assim, o objetivo deste artigo é o de descrever as práticas alimentares locais tradicionais e as inovações introduzidas em diferentes contextos históricos, entre outros, no de sua adesão ao turismo. Metodologicamente associada à História Oral, os dados da pesquisa foram coletados em entrevistas semiestruturadas, pesquisa documental e observação realizada na festa 35º Noite Italiana. Durante o processo analítico, os dados foram listados em indicadores associados à Inovação e Diversidade Cultural, dois princípios da economia criativa brasileira. Conclui-se que a comida hoje apresentada ao turista como "italiana", resulta de um imaginário de italianidade associado as identidades locais, que atualizam o que, em outro momento histórico, foi o alimento diário de Antônio Prado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susana Gastal, Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, Brasil

Professora do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul/RS, Brasil

Ana Maria Costa Beber, Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, Brasil

Estágio Pós-doutoral em andamento pelo Programa de Pós-Graduação em Turismo e Hospitalidade da Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul/RS, Brasil

Felipe Zaltron de Sá, Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul, Brasil

Bacharelando em Turismo pela Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul/RS, Brasil

Referências

Beni, M. C. (2007). Análise Estrutural do Turismo. São Paulo: Senac.

Brasil (2012). Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011 – 2014. Brasília: Ministério da Cultura.

Chanda, N. (2011). Sem Fronteira: os comerciantes, missionários, aventureiros e soldados que moldaram a globalização. Rio de Janeiro: Record.

Costa, A. de C. (2006). Rumo à Economia Criativa: Artesanato e Turismo em Itabuna. In: Anais ... Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul,4., Caxias do Sul: UCS. Recuperado em 25 de agosto, 2016, de http://www.ucs.br/ucs/tplSemMenus/eventos/seminarios_semintur/semin_tur_4/gt07.

De Marchi, L. (2014). Analysis of the Secretariat of the Creative Economy Plan and the transformations in the relation of State and culture in Brazil. Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun., 37(1), 193-215.

Du Rand, G. E., Heath, E. & Alberts, N. (2003). The role of local and regional food in destination marketing: A South African situation analysis. Journal of Travel & Tourism Marketing, 14(3-4), 97-112.

Espeitx, E. (2004). Patrimonio alimentario y turismo: una relación singular. Pasos, 2(2), 193-213.

Everett, S. (2008). Beyond the visual gaze? The pursuit of an embodied experience through food tourism. Tourist Studies, 8(3), 337-358.

Jameson, F. (1996). Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática.

Lima, S. M. S. (s.d). Polos Criativos: um estudo sobre os pequenos territórios criativos brasileiros. Brasília: Ministério da Cultura, 2011/2012. Recuperado em 10 de agosto, 2016, de http://docplayer.com.br/4184453-Polos-criativos-um-estudo-sobre-os-pequenos-territorios-criativos-brasileiros.html.

Maffesoli, M. (2001). Sobre o nomadismo. Rio de Janeiro: Record

Montanari, M. (2013). Comida como cultura. São Paulo: Senac.

Moser, G. P. & Perini, K. P. (2016). O tradicional e o contemporâneo: Florianópolis, cidade Unesco da gastronomia. Rosa dos Ventos – Turismo e Hospitalidade, 8(4). DOI: http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v8i4p510.

Nummedal, M. & Hall, C. M. (2006). Local food in tourism: An investigation of the New Zealand south island's bed and breakfast sector's use and perception of local food. Tourism Review International, 9(4), 365-378. DOI: https://doi.org/10.3727/154427206776330571.

Piazza, C. M. & Pozenatto, J. C. (2010). Projeto Inventário da Diversidade Cultural da Imigração Italiana: o Talian e a Culinária. Caxias do Sul, IPHAN, Instituto Vêneto, FIBRA-RS, ECIRS-UCS.

Tedesco, J. C. & Rossetto, V. (2007). Festas e saberes. Passo Fundo, RS: Méritos.

Publicado
21-08-2017
Como Citar
GASTAL, S.; BEBER, A. M. C.; SÁ, F. Z. DE. Gastronomia da italianidade: diversidade, tradição e inovação em Antônio Prado, Brasil. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 5, 21 ago. 2017.
Seção
Artigos