O ENSINO DE GÊNEROS ACADÊMICOS

O RELATO DA PESQUISA REALIZADA NO PERÍODO DA PANDEMIA DA COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2023v23n2ID31975

Palavras-chave:

Ensino Remoto Emergencial, Covid-19, Gêneros Acadêmicos, Arquivologia

Resumo

O objetivo geral desta pesquisa é analisar a aplicabilidade de uma proposta teórico-metodológica de ensino de gêneros acadêmicos à luz dos preceitos de Bakhtin e do Círculo quanto às Ciências Humanas na universidade e na vida no curso de graduação em Arquivologia, no período remoto emergencial causado pela pandemia da Covid-19. Entre os modelos de pesquisa qualitativa, direcionada ao ensino, optamos pela pesquisa-ação para gerar e selecionar os dados e para construção da proposta teórico-metodológica de ensino de gêneros acadêmicos e pesquisa interpretativista para análise dos dados. Os participantes da pesquisa foram os alunos do curso de Arquivologia. Utilizamos ferramentas como o Google Meet, Classroom, Google Forms, WhatsApp e o Excel. A partir daí, analisamos a aplicabilidade das cinco diretrizes de ensino criadas por Santos (2013) em situação de ensino remoto. Os dados comprovam que a interação verbal e o diálogo foram fundamentais para o desenvolvimento do processo pedagógico. A diversidade de propostas que buscou fazer do aluno protagonista resultou em um maior empenho nas atividades, tanto nas aulas síncronas como nas assíncronas. Conclui-se que o grande impacto desta investigação foi analisar o ensino de gêneros em um cenário virtual, considerando os pontos positivos, desafios e os limites das metodologias ativas empregadas pelo professor para conseguir um processo de ensino-aprendizagem menos chocante perante o aluno e mais próximo dele, resultando em uma considerável interação verbal no uso de ferramentas digitais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliete Correia dos Santos, UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

Pós-doutorado em Educação Contemporânea pela UFPE - PNPD-CAPES. Doutora em Linguística pelo PROLING/UFPB. Concluiu o doutorado sanduíche (Estágio Avançado de Doutoramento), na Universidade do Porto - PT, na interface com o Curso de Ciência da Informação e Linguística. Mestre em Linguagem e Ensino pela UFCG. Possui graduação em Letras pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caruaru. Atualmente é professora da Universidade Estadual da Paraíba - do Curso de Arquivologia. Profa. Colaboradora do PPGLE-UFCG e do PPGFP- UEPB. Experiência na área de Linguística, Tecnologias Educacionais e Arquivologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Linguagem e Arquivologia, tecnologias educacionais, gêneros acadêmicos, linguagem e ensino, letramento, estudos Bakhtinianos. No momento, seu objeto de dedicação e estudo é a produção escrita dos gêneros acadêmicos com ênfase nos estudos bakhtinianos. O realce de pesquisa e extensão está no campo da Arquivologia e Linguística, no desenvolvimento do Projeto SESA (Seminários de Saberes Arquivísticos), cujo trabalho é realizado em cooperação acadêmica internacional com a Universidade do Porto, Universidade de Coimbra e o Instituto Politécnico do Porto. Líder do grupo de pesquisa Arquivologia e Sociedade - GPAS cuja linha de pesquisa é Arquivo, Linguagem e Memória. Também é membro do Grupo de Pesquisas em Linguística Enunciativa e Sócio-Interacional - GPLEI, atuando na linha Linguagem, ensino e tecnologia.

Referências

ADAM, B.; GROVES, C. Future Matters: Action, Knowledge, Ethics. Leiden: Brill, 2007.

BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do Ato Responsável. Tradução de: MIOTELLO, V.; FARACO, C. A. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BAZARIM, M. Metodologias de pesquisa aplicadas ao contexto de ensino-aprendizagem de línguas. In: CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA, 12, 2008, Rio de Janeiro. Livro dos minicursos extras. Rio de Janeiro: Cefefil, 2008. v. 1, p. 93-102.

BRAGA, A. M. (et al.). Universidade Futurante: inovação entre as certezas do passado e incertezas do futuro. In: LEITE, D.; MOROSINI, M. (Orgs.). Universidade Futurante: produção do ensino e inovação. Campinas, SP: Papirus, 1997, p. 21-38.

CASTANHO, M. E. L. M. Professores e inovações. In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M. E. L. M. (Org.). O que há de novo na educação superior: do projeto pedagógico a prática transformadora. Campinas, SP: Papirus, 2000, p. 75-92.

CUNHA, M. I. Aula universitária: inovação e pesquisa. In: LEITE, D.; MOROSINI, M. (Org.). Universidade Futurante: produção do ensino e inovação. Campinas, SP: Papirus, 1997, p. 79-94.

DE LA TORRE, S. Instituciones Educativas Creativas: instrumento para valorar el desarrollo creativo de las Instituciones Educativas (VALDECRIE). Barcelona: Círculo Rojo, 2012.

FREIRE, Paulo. A importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados. Cortez, 1989.

FRANCO, M. F. Blog Educacional: ambiente de interação e escrita colaborativa. In: SBIE – Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 16. Universidade Federal de Juiz de Fora, 2005. p. 309-319.

GARCIA, W. E. Legislação e inovação educacional a partir de 1930. In: GARCIA, W. E.(Org.). Inovação educacional no Brasil: problemas e perspectivas. São Paulo: Cortez Editora, 1980, p. 205-234.

HARGREAVES, A.; FULLAN, M. A escola como organização aprendente: buscando uma educação de qualidade. Porto Alegre: Artmed, 2000.

HERNANDEZ, F. (Org.). Aprendendo com as inovações nas escolas. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

JESUS, E. A. TimesCapes: espaço e tempo na artemídia. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2022.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2007.

LUCARELLI, E. Las práticas inovadoras en el aula universitária: una mirada desde la investigacion. In: ZANCHET, B. M. B. A.; GHIGGI, G. Práticas inovadoras na sala de aula universitária: possibilidades, desafios e perspectivas. São Luis - MA: EDUFMA, 2009, p. 17-46.

MOITA LOPES, L.P. (1994). Pesquisa Interpretativista em Linguística Aplicada: a linguagem como condição e solução. In: DELTA, Vol 10, nº2, p. 331

MORAN, J. M. Ensino e Aprendizagem Inovadores com Tecnologias. Informática na Educação: Teoria e Prática. Porto Alegre, v. 3, n. 1, Setembro, 2000. PGIE-UFRGS.

MORIN, E. Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 2002.

PEREIRA, E. M. A.; MERCURI, E.; BAGNATO, M. H. Inovações curriculares: experiências em desenvolvimento em uma universidade pública. Currículo sem Fronteiras, v.10, n.2, p. 200-213, 2010.

RASCO, J. F. A. Inovação, universidade e sociedade. In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M. E. L. M.(Org.). O que há de novo na educação superior: do projeto pedagógico a prática transformadora. Campinas, SP: Papirus, 2000, p. 13-60.

SANTOS, E. C. Uma proposta dialógica de ensino de gêneros acadêmicos: nas fronteiras do Projeto SESA. 418p. Tese (Doutorado) – Doutorado em Linguística, Universidade Federal da Paraíba, UFPB, 2013.

TORI, R. A presença das Tecnologias Interativas na Educação. Revista de Computação e Tecnologia. São Paulo – PUC – SP, Departamento de Computação/FCET, v. 2, n.1. 2010.

VALENTE, J. A. Formação de Professores: diferentes abordagens pedagógicas. In: VALENTE, J. A. O computador na sociedade do conhecimento. Campinas (SP): Unicamp/Nied, 1999.

VALENTE, J. A. Covid-19: governo declara transmissão comunitária em todo o país. Agência Brasil, [s. l.], 20 mar. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2020-03/covid-19-governo-declara-transmissao-comunitaria-em-todo-o-pais#. Acesso em: 9 jan. 2022.

Downloads

Publicado

24-09-2023

Como Citar

ELIETE CORREIA DOS SANTOS; GOMES, L. S. do N. O ENSINO DE GÊNEROS ACADÊMICOS: O RELATO DA PESQUISA REALIZADA NO PERÍODO DA PANDEMIA DA COVID-19. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 151–176, 2023. DOI: 10.21680/1984-3879.2023v23n2ID31975. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/31975. Acesso em: 15 jul. 2024.