Proposta de um modelo de visualização de dados

Impacto social da extensão do ensino superior sob à ótica de Campus Inteligente

Palavras-chave: Campus Inteligente, Analytics, Impacto Social, Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, Extensão Universitária, Visualização de Dados

Resumo


As atividades de Extensão das universidades alinham a teoria acadêmica à prática se comunicando diretamente com a sociedade por meio de ações que direta e indiretamente causam impacto social. Essas atividades são indissociáveis do Ensino e da Pesquisa. Os atuais indicadores de qualidade disponibilizados pelos órgãos regulatórios não revelam em sua maior parte o impacto da extensão na sociedade. Nessa perspectiva, propõe-se um Modelo de Visualização de Dados para demonstrar o impacto social das atividades de extensão, por meio da aplicação de estudo de caso único em uma universidade associada a metodologia Design Science Research, considerando as premissas de Campus Inteligentes e associação com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. O projeto busca contribuir com o avanço das discussões da importância do uso da visualização de dados na educação superior, demonstrar o impacto social da universidade para a sociedade, apoio aos gestores e tomadores de decisão e uma maior aproximação com a comunidade acadêmica e comunidade externa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Ferreira dos Santos, Universidade Federal do Paraná

Rafael Ferreira dos Santos atua como Analista Jr. no Departamento de Regulação e Supervisão da Universidade Positivo. Especialista em Estatística Aplicada pela Anhanguera. MBA em Business Intelligence pela Universidade Positivo. Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Positivo. Tem interesse de pesquisa nos temas: Análise de dados e indicadores, Dashboards, uso de informação para tomada de decisão.

Taiane Ritta Coelho, Universidade Federal do Paraná

Taiane Ritta Coelho é professora do Departamento de Ciência e Gestão da Informação e pesquisadora vinculada ao Programa de Pós-graduação em Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná – UFPR. Doutora em Administração pela Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP), com período de doutorado sanduíche na École des Hautes Éstudes Commerciales de Montréal (HEC Montréal). Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná (2014), na área de tecnologia e inovação. Possui graduação em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2010) e curso Técnico em Sistemas de Telecomunicações pelo IF-Sul (2004). Líder do Tema Teorias em Administração da Informação da ANPAD. Interessa-se sobretudo, em termos de pesquisa científica, pelos seguintes temas: Uso de tecnologia, e-Participação, Governança de TI e Social Media.

Referências

  • ANDRADE, António. FERREIRA, Sérgio A. Aspetos Morfológicos do Tratamento de dados na Gestão Escolar: O Potencial do Analytics. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, v. 16, p. 289-316, 2016.

  • BARBISAN, Aluí Oliveira. Modelo institucional de avaliação da extensão: parâmetros e indicadores. Revista Avaliação (Campinas), v. 5, n. 2, p. 67-86, 2000.

  • BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo: textos doutrinários comentados. Tradução: Luis Antero Reto, Augusto Pinheiro. 1. ed. São Paulo: Edições 70, 2016.

  • BARNEVELD, Angela van; ARNOLD, Kimberly E.; CAMPBELL, John P. Analytics in Higher Education: Establishing a Common Language. EDUCAUSE Learning Iniciative, v. 1, p. 1-11, jan. 2012.

  • BARRETO, Aldo de Albuquerque. A questão da informação. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 8, n.4, p. 3-8, out./dez. 1994.

  • BICHSEL, Jacqueline. Analytics in higher education: benefits, barriers, progress, and recommendations (Research Report). EDUCAUSE Center for Applied Research, 31 p, Louisville, 2012. Disponível em: http://www.educause.edu/ecar. Acesso em: 16 fev. 2021.

  • BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 7 de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação - PNE 2014-2024 e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1, Brasília, DF, n. 243, p. 49-50, 19 dez. 2018.

  • CARVALHO, Elizabeth Simão; MARCOS, Adérito Fernandes. Visualização de informação. Guimarães, PT: Centro de Computação Gráfica, 2009. ISBN 978-972-99062-5-1.

  • CHOO, Chun W. The knowing organization: how organizations use informations to contruct meaning, create knowledge and make decisions. International Journal of Information Management, v. 16, n. 15, p. 329-340, 1996.

  • CUNHA, Maria Alexandra; PRZEYBILOVICZ, Erico; MACAYA, Javieira Fernada Medina; BURGOS, Fernando. Smart Cities: transformação digital de cidades. São Paulo: Programa Gestão Pública e Cidadania - PGPC, 2016.

  • DAVENPORT, Thomas H., PRUSAK, Laurence. Ecologia da Informação: porque só a tecnologia não basta para o sucesso da informação. São Paulo: Futura, 1998.

  • DRESCH, Aline; LACERDA, Daniel Pacheco; MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick. Uma análise distintiva entre o estudo de caso, a pesquisa-ação e a design science research. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, São Paulo, v. 17, n. 56, p. 1116-1133, 2015.

  • FERREIRA, Francisco, Henrique Cerdeira; ARAÚJO, Renata Mendes. Campus Inteligentes: Conceitos, aplicações, tecnologias e desafios. Relatórios Técnicos do DIA/UNIRIO, Rio de Janeiro, n. 3, jan. 2018.

  • FRANCO, Mateus Müller; WEBBER, Carine Geltrudes. Smart University: conceitos, planejamento e indicadores. Revista Scientia Cum Industria, v. 8, n. 2, p. 65-77, 2020.

  • FREITAS, Carla Maria Dal Sasso; CHUBACHI, Olinda Mioka; LUZZARDI, Paulo Roberto Gomes; CAVA, Ricardo Andrade. Introdução à visualização de informações. Revista de informática teórica e aplicada. v. 8, n. 2, p. 143-158, out. 2001.

  • GIFFINGER, Rudolf; FERTNER, Christian; KRAMAR, Hans; KALASEK, Robert; PICHLER-MILANOVIC, Natasa; MEIJERS, Evert. Smart Cities – Ranking of European médium-sized cities. Final report. Vienna, AT: Centre of Regional Science (SRF); Vienna University of Techonology, 2007.

  • GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

  • INSTITUIÇÃO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS – INEP. Instrumento de avaliação externa presencial e à distância, recredenciamento. Brasília – DF, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/instrumentos. Acesso: 8 nov. 2019.

  • LAZZARETTI, Kellen; SEHNEN, Simone; BENCKE, Fernando Fantoni; MACHADO, Hilka Pelizza Vier. Cidades inteligentes: insights e contribuições das pesquisas brasileiras. urbe, Revista Brasileira de Gestão Urbana, [Curitiba], v. 11, e20190118, 2019.

  • MIGUEL, Paulo Augusto Cauchick. Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução. Produção, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 216-229, jan./abr. 2007.

  • NUNES, Ana Lucia de Paula Ferreira; SILVA, Maria Batista da Cruz. A extensão universitária no ensino superior e a sociedade. Mal-Estar e Sociedade, Barbacena, v. 4, n. 7, p. 119-133, jul./dez. 2011.

  • ONG, Vicent Koon. Business Intelligence and Big Data Analytics for Higher Education: Cases from UK Higher Education Institutions. Information Engineering Express, International Institute of Applied Informatics, v. 2, n. 1, p. 65–75, mar. 2016.

  • PEFFERS, Ken et al. A Design Science Research Methodology for Information Systems Research. Journal of Management Information Systems, v. 24, n. 3, p. 45–77, dez. 2007.

  • PEREIRA Flávia Patricia Alves. Big data e data analysis: visualização de informação. 2015. 74 f. Dissertação (Mestre em Engenharia e Gestão de Sistemas de Informação) – Escola de Engenharia, Universidade do Minho, Braga, 2015.

  • PLANETA, Cleópatra da Silva; MARQUES, Antonio C.; BUENO, Guilherme W.; LUQUE, Carlos A.; HASHIMOTO, Fernando; GONTIJO, José A. R. Impacto Social das Universidades. In: MARCOVITCH, Jacques (org.). Repensar a Universidade II: Impactos para a Sociedade. 1ª Edição. São Paulo: ComArte/Fapesp, 2019. p. 195-2018.

  • SCHENATZ, Biancca Nardelli. Smart Campus e Analytics para a redução da evasão e promoção da permanência no ensino superior: um estudo de caso múltiplo. 2019. 257 f. Tese (Doutorado em Administração) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo - Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2019.

  • SETZER, Valdemar W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. [Versão eletrônica e estendida]. In: SETZER, Valdemar W. Os Meios Eletrônicos e a Educação: Uma Visão alternativa. São Paulo: Editora Escrituras, 2001. (Coleção Ensaios Transversais, v. 10). Disponível em: https://www.ime.usp.br/~vwsetzer/dado-info.html. Acesso em: 12 out. 2020.

  • SILVA, Fabiano Couto Corrêa. Visualização de dados: passado, presente e futuro. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 15, ed. 2, p. 205-223, 2019.

  • VANCLAY, Frank. International principles for social impact assessment. Impact Assessment and Project Appraisal, v. 21, n. 1, p. 5-12, 2003.

  • VENDRÚSCOLO, Juliana de Bona Garcia. Um sistema de Business Intelligence para a extensão universitária. 2020. 175 f. Dissertação (Mestre em Administração Universitária) - Centro Sócio-Econômico, Programa de Pós-Graduação em Administração Universitária, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

  • YIN, Robert. K. Case study research: design and methods. 3. ed. New Delhi: Bookman, 2003.

Publicado
06-04-2021
Como Citar
SANTOS, R. F. DOS; COELHO, T. R. Proposta de um modelo de visualização de dados. Revista Informação na Sociedade Contemporânea, v. 5, p. e23416, 6 abr. 2021.
Seção
Dossier Consórcio Mestral e Doutoral em Gestão da Informação e do Conhecimento