Previsibilidade, Tempo e Direito Reprodutivo

reflexões sobre cesáreas no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1982-1662.2024v7n39ID32681

Palavras-chave:

Previsibilidade, Temporalidade Moderna, Saúde Reprodutiva, Viol´ência Obst´´étrica, Cesáreas

Resumo

O Brasil vive uma epidemia de cesáreas com uma taxa de mais de 55% de partos cirúrgicos no ano de 2018, liderando o ranking mundial. Isso contraria as recomendações da Organização Mundial da Saúde e desperta atenção de pesquisadores. Muitos estudos têm apontado para uma “cultura da cesárea” ou “fatores socioculturais”, sem desenvolver o que isso significa. O objetivo deste artigo é contribuir para esta discussão acerca dos fatores socioculturais, e faz isso através de uma análise conceitual, estabelecendo associação entre temporalidade moderna, previsibilidade, violência obstétrica, e índices de cesáreas como via de nascimento. Enunciamos um problema empírico necessário e pouco explorado conceitualmente, e acionamos bibliografias próprias da teoria sociológica contemporânea, construindo um argumento de que o elemento sociocultural que contribui para as altas taxas de cesáreas no país podem ser traduzidos em desejo por segurança ontológica e previsibilidade, típicos da modernidade. Sugerimos também uma possível saída, teórica e empírica, que garanta os direitos reprodutivos das mulheres e devolva a elas seu protagonismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Beatriz Martins, University of New South Wales

Doutora em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP/UERJ) sob orientação do Prof. José Maurício Domingues, com período sanduíche na University of Cambridge sob orientação do Prof. Patrick Baert. Possui título de Mestre em Sociologia pelo IESP/UERJ, tendo feito a dissertação sobre a ideia de conceitos tendência e sua funcionalidade e relevância diante do "dilema"entre lei social e contingência, agência e estrutura. Possui o título de bacharela em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pesquisadora vinculada ao Núcleo de Estudos de Teoria Social e América Latina (NETSAL) do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui interesse na área de Teoria Sociológica e Epistemologia das Ciências Sociais, com ênfase na influência das concepções de tempo nesses processos. Tem experiência docente como Professora Substituta do Departamento de Sociologia e Metodologia das Ciências Sociais da Universidade Federal Fluminense (GSO-UFF), e como pesquisadora na University of Sydney, Atualmente é Pesquisadora na University of New South Wales, Sydney, Au.

Referências

AGUIAR, JM. Violência institucional em maternidades públicas: hostilidade ao invés de acolhimento como uma questão de gênero. Tese (Doutorado em Medicina Preventiva), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ALTHABE, Fernando; SOSA, Claudio; BELIZAN, José M.; GIBBONS, Luz; JACQUERIOZ, Frederique; BERGEL, Eduardo. Cesarean section rates and maternal and neonatal mortality in low‐, medium‐, and high‐income countries: an ecological study. Birth, v. 33, n. 4, p. 270-277, 2006.

BARROS, Fernando C.; MATIJASEVICH, Alicia; MARANHÃO, Ana G. K.; ESCALANTE, Juan J.; NETO, Dacio L. R.; FERNANDES, Roberto M.; VILELLA, Maria E. A.; MATOS, Ana C.; ALBUQUERQUE, Cristina; LEÓN, Roldofo G. P.; VICTORA, Cesar G. Cesarean sections in Brazil: will they ever stop increasing?. Rev Panam Salud Publica, v. 38, p. 217-225, 2015.

BAUMAN, Zygmunt. A Sociological Theory of Postmodernity. Thesis Eleven, v. 29, n. 1, p. 33-46, 1991.

BERMAN, Marshall. All that is solid melts into air: The experience of modernity. Verso, 1983.

CECATTI, José G.; ANDREUCCI, Carla B.; CACHEIRA, Pilar S.; PIRES, Helaine M. B.; PINTO E SILVA, João L.; AQUINO, Márcia M. A. Fatores associados à realização de cesárea em primíparas com uma cesárea anterior. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 22, p. 175-179, 2000.

DAVIS-FLOYD, Robbie. Birth as an American rite of passage. Berkeley: University of California Press, 1992.

D'OLIVEIRA, Ana Flávia P. L.; DINIZ, Simone G.; SCHRAIBER, Lilia B. Violence against women in health-care institutions: an emerging problem. The Lancet, v. 359, n. 9318, p. 1681-1685, 2002.

DIAS, Marcos Augusto; DOMINGUES, Rosa Maria; PEREIRA, Ana Paula; FONSECA Sandra Costa; DA GAMA, Silvana Granado; THEME FILHA, Mariza Miranda; BITTENCOURT, Sonia Duarte; DA ROCHA, Penha Maria; SCHILITHZ, Arthur Orlando; LEAL, Maria do Carmo. Trajetória das mulheres na definição pelo parto cesáreo: estudo de caso em duas unidades do sistema de saúde suplementar do estado do Rio de Janeiro. Ciência e Saúde Coletiva, v. 13, n. 5, 2008.

DINIZ, Simone G.. Gênero, saúde materna e o paradoxo perinatal. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, v. 19, n. 2, p. 313-326, 2009.

DINIZ, Simone G.; CHACHAM, Alessandra S. O “corte por cima” e o “corte por baixo”: o abuso de cesáreas e episiotomias em São Paulo. Questões de saúde reprodutiva, v. 1, n. 1, p. 80-91, 2006.

DOMINGUES, Rosa M. S. M.; DIAS, Marcos A. B. D.; NAKAMURA-PEREIRA, Marcos; TORRES, Jacqueline A.; D’ORSI, Eleonora; PEREIRA, Ana Paula E.; SCHILITHZ, Arthur O. C.; LEAL, Maria do Carmo L. Processo de decisão pelo tipo de parto no Brasil: da preferência inicial das mulheres à via de parto final. Cadernos de Saúde Pública, v. 30, p. S101-S116, 2014.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: J. 1985.

ESTEVES-PEREIRA ET AL., (2016). Caesarean Delivery and Postpartum Maternal Mortality: A Population-Based Case Control Study in Brazil. PLoS ONE 11(4): e0153396. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0153396.

FERREIRA JÚNIOR, Antonio R.; DE BARROS, Nelson F. A humanização do parto no cenário de disputas da obstetrícia. Physis, v. 22, n. 4, p. 1591-1593, 2012.

FREITAS, Paulo F.; SAVI, Eduardo P. Desigualdades sociais nas complicações da cesariana: uma análise hierarquizada. Cadernos de Saúde Pública, v. 27, p. 2009-2020, 2011.

FREITAS, P. F.; BEHAGUE, D. Brazil’s culture of caesarean births. Health Exch, v. 10, p. 8-9, 1995.

FREITAS, Paulo Fontoura et al. Desigualdade social nas taxas de cesariana em primíparas no Rio Grande do Sul. Revista de Saúde Pública, v. 39, n. 5, p. 761-767, 2005.

FREITAS, Paulo Fontoura; SAKAE, Thiago Mamôru; JACOMINO, M. E. M. L. P.. Fatores médicos e não-médicos associados às taxas de cesariana em um hospital universitário no Sul do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 24, 2008.

GENTILE, Francisco de P.; FILHO, Gerson N.; CUNHA, Alfredo de A. Associação entre a remuneração da assistência ao parto e a prevalência de cesariana em maternidades do Rio de Janeiro: uma revisão da hipótese de Carlos Gentile de Mello. Cadernos de Saúde Pública, v. 13, p. 221-226, 1997.

GIDDENS, Anthony. [1990] (1991). As consequências da modernidade. São Paulo: Editora UNESP.

GIDDENS, Anthony. The constitution of society: outline of the theory of structuration. Berkeley, CA, and Los Angeles, CA: University of California Press. 1984.

GUEDES, Aline (2018). “Especialistas apontam epidemia de cesarianas no Brasil”. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/especiais/especial-cidadania/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas/especialistas-apontam-epidemia-de-cesarianas.

HABERMAS, Jürgen. O Discurso Filosófico da Modernidade Lisboa: Dom Quixote. 1985.

HÄGER, Renate M. E.; DALTVEIT, Anne K.; HOFOSS, Dag; NILSEN, Stein T. KOLAAS, Toril; ØIAN, Pål; HENRIKSEN, Tore. Complications of cesarean deliveries: rates and risk factors. American journal of obstetrics and gynecology, v. 190, n. 2, p. 428-434, 2004.

HOPKINS, K. (2000) “Are brazilian women really choosing to deliver by caesarean?” In: Social Science & Medicine, 51(110), 725-740.

HOTIMSKY, Sonia N.; AGUIAR, Janaina M.; VENTURI JUNIOR, Gustavo. A violência institucional no parto em maternidades brasileiras. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2013.

LAMARCA, G; VETTORE, M. (2013). Lei de prevenção inversa: é possível que as intervenções em saúde pública aumentem as desigualdades sociais? Disponível em: https://dssbr.ensp.fiocruz.br/lei-de-prevencao-inversa-e-possivel-que-as-intervencoes-em-saude-publica-aumentem-as-desigualdades-sociais/

MELLER, Fernanda de O.; SCHÄFER, Antônio A. Fatores associados ao tipo de parto em mulheres brasileiras: PNDS 2006. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 3829-3835, 2011.

NAGAHAMA, Elizabeth E. I.; SANTIAGO, Silvia M. Parto humanizado e tipo de parto: avaliação da assistência oferecida pelo Sistema Único de Saúde em uma cidade do sul do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 11, p. 415-425, 2011.

PERKINS, Maureen. The reform of time: magic and modernity. London: Pluto Press, 2001.

PATAH, Luciano E. M.; MALIK, Ana M. Modelos de assistência ao parto e taxa de cesárea em diferentes países. Revista de Saúde Pública, v. 45, n. 1, p. 185-194, 2011.

POTTER, Joseph E.; BERQUÓ, Elza; PERPÉTUO, Ignez H. O.; LEAL, Ondina F.; HOPKINS, Kristine; SOUZA, Marta R.; FORMIGA, Maria C. de C. Unwanted caesarean sections among public and private patients in Brazil: prospective study. BMJ, v. 323, n. 7322, p. 1155-1158, 2001.

JESUS, Guilherme R. R.; DE JESUS, Nilson; PEIXOTO-FILHO, Fernando M.; LOBATO, G. Caesarean rates in Brazil: what is involved? BJOG. 2015 Apr;122(5):606-9.

SAKAE, Thiago M.; FREITAS, Paulo F.; D'ORSI, Eleonora. Fatores associados a taxas de cesárea em hospital universitário. Revista de Saúde Pública, v. 43, p. 472-480, 2009.

SANTOS, Jaqueline de O.; SHIMO, Antonieta K. K. Prática rotineira da episiotomia refletindo a desigualdade de poder entre profissionais de saúde e mulheres. Escola Anna Nery, v. 12, p. 645-650, 2008.

SENA, Ligia M.; TESSER, Charles D. Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 21, n. 60, p. 209-220, 2017.

SILVEIRA, Denise S.; SANTOS, Iná S. dos. Fatores associados à cesariana entre mulheres de baixa renda em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 20, p. S231-S241, 2004.

TESSER, Charles D.; KNOBEL, Roxana; ANDREZZO, Halana F. de A.; DINIZ, Simone G. Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista brasileira de medicina de família e comunidade, v. 10, n. 35, p. 1-12, 2015.

TORNQUIST, Carmen S. Armadilhas da nova era: natureza e maternidade no ideário da humanização do parto. Revista Estudos Feministas, v. 10, p. 483-492, 2002.

TOULMIN, Stephen. Cosmopolis: the hidden agenda of modernity. The University of Chicago Press. 1992.

WAGNER, Peter. Theorizing Modernity: Inescapability and Attainability in Social Theory. SAGE, 2001.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. The prevention and elimination of disrespect and abuse during facility-based childbirth: WHO statement. World Health Organization, 2014.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Appropriate Technology for bith. Genebra: Lancet, 1985.

WILLIAMS, Simon J.; CALNAN, Michael. The ‘limits’ of medicalization?: Modern medicine and the lay populace in “late” modernity. Soc Sci Med. 1996 Jun; 42(12): 1609-20.

Downloads

Publicado

26-01-2024

Como Citar

MARTINS, A. B. Previsibilidade, Tempo e Direito Reprodutivo: reflexões sobre cesáreas no Brasil. Revista Inter-Legere, [S. l.], v. 7, n. 39, p. c32681, 2024. DOI: 10.21680/1982-1662.2024v7n39ID32681. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/c32681. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS