UMA EDUCAÇÃO DESCOLONIZADORA PARA GUINÉ-BISSAU DESDE A EXPERIÊNCIA DOS POVOS HISTORICAMENTE COLONIZADOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2024v24n1ID35153

Palavras-chave:

Educação Guineense, Pensamento Crítico, Paulo Freire

Resumo

Este trabalho aborda o contexto histórico da Guiné-Bissau em conjunto com o desenvolvimento da educação historicamente e as necessidades observadas para uma educação que necessita se consolidar efetivamente como menos colonial no país. Optamos para essa análise utilizar a pesquisa bibliográfica como forma de levantar um debate sobre os referenciais e apresentar as debilidades do sistema educacional guineense, além de, apresentar algumas soluções ao pensamento crítico na educação. Compreendeu-se no desenrolar da discussão, que diversos problemas constituem as debilidades e limitações do sistema de ensino guineense, mas que, entretanto, os problemas não têm origem somente na condição econômica conforme o país é apresentado ao mundo, mas sim, e sobretudo, nas condições coloniais e nos padrões coloniais que fizeram parte do processo histórico de colonização europeia pelo mundo, e que, ainda fazem parte do  pensamento educativo guineense e de boa camada de sua classe política permeados pelo colonialismo mental e as colonialidades do poder, saber e ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cauê Almeida Galvão, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor Substituto do Departamento de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, campus CERES - Caicó. Doutor em Educação pelo Programa de Doutorado Latino-Americano em Educação da UFMG. Mestre em Estudos Latino-Americanos e Historiador da América Latina pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana. 

Nbemba Djassi, Universidade Lusófona da Guiné-Bissau

Licenciado em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona da Guiné-Bissau. Actualmente é professor de História e Geografia em escolas particulares de Bissau.

Referências

AZURARA,G.E. Chronica do descobrimento e conquista de Guiné. Paris: J. P. Aillaud, 1841. Disponível em: https://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=download&id=136761

Acesso em: 16 jan.2024.

BARBOSA, R.A. La-le-li-lo-luta: a experiência de um professor brasileiro na Guiné-Bissau. São Paulo: Achiamé, 1984.

BARROSO JÚNIOR, R. S. Nas rotas do Atlântico equatorial: tráfico de escravos rizicultores da Alta-Guiné para o Maranhão (1770-1800). 2009. Dissertação.(Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

CUSICANQUI, S. R. Un mundo Ch’ixi Es Posible: ensayos desde un presente en crisis. Buenos Aires: Tinta Limón, 2018.

DUSSEL, E. 1492: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis/ RJ: Vozes, 1993.

FREIRE, P. Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em Processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREIRE, P.. Pedagogia do oprimido. 17.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

INDJALÁ, S. Educação na Guiné-Bissau: análise das produções acadêmicas. 2019. Dissertação. (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2019.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005. p.201-248.

SEMEDO, R. J. C. G. PAIGC: A face do monopartidarismo na Guiné-Bissau (1974-1990). 2009. (Mestrado em Ciência Política) - Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos/SP, 2009.

SEGATO, R. L. La Nación y sus Otros. Buenos Aires: Prometeo, 2007.

Downloads

Publicado

02-03-2024

Como Citar

ALMEIDA GALVÃO, C.; DJASSI, N. UMA EDUCAÇÃO DESCOLONIZADORA PARA GUINÉ-BISSAU DESDE A EXPERIÊNCIA DOS POVOS HISTORICAMENTE COLONIZADOS. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 24, n. 1, p. AR07, 2024. DOI: 10.21680/1984-3879.2024v24n1ID35153. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/35153. Acesso em: 14 jun. 2024.