Mapa perceptual como ferramenta para a análise da imagem de destinos turísticos

  • Glauber Eduardo de Oliveira Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) http://orcid.org/0000-0001-8731-101X
  • Viviane de Jesus Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)
Palavras-chave: mapa perceptual, marketing turístico, imagem de destinos turísticos, escalonamento multidimensional

Resumo

A imagem do destino turístico é um tema complexo e que pode ser analisado por meio de diferentes métodos. Uma alternativa amplamente empregada para a análise da imagem de produto em geral é o mapa perceptual, instrumento composto por um diagrama que representa a imagem de vários elementos de uma mesma categoria em relação a diferentes atributos. Esse método começa a ser aplicado à análise da imagem do destino turístico, facilitando a análise das qualidades de cada lugar e do posicionamento da imagem do destino em relação a seus concorrentes. Logo, os mapas perceptuais facilitam a interpretação dos resultados do processo de mensuração da imagem do destino, contribuindo substancialmente para a gestão e o marketing de destinos turísticos. O presente artigo utiliza mapas perceptuais para analisar a imagem de alguns dos mais importantes destinos turísticos brasileiros na visão do consumidor paulistano com relação aos atrativos naturais e culturais, oferta de entretenimento, serviços turísticos, segurança e hospitalidade. O objetivo principal é ilustrar a aplicação dessa técnica de análise, discutindo-se suas contribuições e restrições e colaborando-se para o desenvolvimento metodológico da pesquisa nessa área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glauber Eduardo de Oliveira Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)
Viviane de Jesus Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)
Tecnóloga em Gestão de Turismo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo.

Referências

Alves, S., & Ferreira, N. N. (2009). Medida da competitividade do destino Brasil: uma aplicação do Índice de Competitividade Turística do WEF 2008. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, 4(2).

Asli, D. A. T., & William, C. G. (2007). Destination Image and Its Functional Relationships. Journal of Travel Research, 45(4), 413-425.

Atilgan, E., Akinci, S., & Aksoy, S. (2003). Mapping service quality in the tourism industry. Managing Service Quality, 13(5), 412-422.

Beggs, S., Cardell, S., & Hausman, J. (1981). Assessing the potential demand for electric cars. Journal of Econometrics, 17(1), 1-19.

Buosi, M. C., & Leocádio, A. (2013). A Avaliação dos Atributos da Imagem e sua Relação com a Imagem Global do Destino de Turismo Internacional – Praia de Jericoacoara. Turismo em Análise, 24(1), 25-40.

Chagas, M. M. d., & Marques Júnior, S. (2010). Análise da relação causal entre imagem, qualidade, satisfação e fidelidade: um estudo sobre a percepção do turista nacional no destino turístico Natal-RN. Turismo em Análise, 21(3), 494-516.

Chagas, M. M. d., Marques Júnior, S., & Duarte, A. C. F. (2013). Análise do processo de formação da imagem de destinos turísticos de sol e praia: um estudo em Canoa Quebrada/CE. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 7(3), 456-475.

Chagas, M. M. d., Sampaio, L. M. B., & Santos, K. E. B. (2013). Análise da influência da imagem de destinos na satisfação e fidelidade a destinações de turismo de sol e praia: Um estudo em Natal/RN. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 7(2), 296-316.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de Pesquisa em Administração (7 ed.). Porto Alegre: Bookman.

Crompton, J. L. (1979). An assessment of the image of Mexico as a vacation destination and the influence of geographical location upon that image. Journal of Travel Research, 17(4), 18-23.

Echtner, C. M., & Ritchie, J. R. B. (1991). The meaning and measurement of destination image. Journal of Tourism Studies, 2(2), 2-12.

Ferreira, S. D. (2011). Efeito da Visita/Não-Visita na Imagem de um destino turístico: Uma aproximação metodológica mista. Turismo em Análise, 22(3), 681-699.

FIPE. (2012). Caracterização e dimensionamento do turismo doméstico no Brasil - 2010/2011. São Paulo: FIPE.

Fodness, D. D., & Milner, L. M. (1992). A Perceptual Mapping Approach To Theme Park Visitor Segmentation. Tourism Management, 13(1), 95-101.

Gallarza, M. G., Saura, I. G., & García, H. C. (2002). Destination image: towards a conceptual framework. Annals of Tourism Research, 29(1), 56-78.

Gunn, C. (1972). Vacationscape: Designing Tourist Regions. Washington DC: Taylor and Francis.

Hauster, J. R., & Koppelman, F. S. (1979). Alternative Perceptual Mapping Techniques: Relative Accuracy and Usefulness. Journal of Marketing Research (JMR), 16(4), 495-506.

Jenkins, O. H. (1999). Understanding and measuring tourist destination images. International Journal of Tourism Research, 1(1), 1-15.

Katahira, H. (1990). Perceptual Mapping Using Ordered Logit Analysis. MARKETING SCIENCE, 9(1), 1-17.

Kim, D. J., Kim, W. G., & Han, J. S. (2007). A perceptual mapping of online travel agencies and preference attributes. Tourism Management, 28(2), 591-603.

Kim, H.-b. (1996). Perceptual mapping of attributes and preferences: an empirical examination of hotel F&B products in Korea. International Journal of Hospitality Management, 15(4), 373-391.

Kim, H.-b. (1998). Perceived Attractiveness Of Korean Destinations. Annals of Tourism Research, 25(2), 340-361.

Kotler, P., Haider, D. H., & Rein, I. (1993). Marketing places. New York: The Free Press.

Mariutti, F. G., & Giraldi, J. d. M. E. (2012). Análise da imagem do Brasil por meio do Anholt Nation Branding Index. Turismo Visão e Ação, 14(1), 67-81.

Ministério do Turismo. (2013). Estudo da Demanda Turística Internacional. Brasília.

Pike, S. (2002). Destination image analysis: a review of 142 papers from 1973 to 2000. Tourism Management, 23, 541.

Punj, G. N., & Staelin, R. (1978). The choice process for graduate business schools. Journal of Marketing Research, 15(4), 588-598.

Santos, G. E. d. O. (2011). Publicações de Turismo. Acesso em Mar. 2015, de www.publicacoesdeturismo.com.br.

São Paulo Turismo. (2014). Movimento nos terminais rodoviários paulistanos. São Paulo.

Tasci, A. D. A. (2006). Visit Impact on Destination Image. Tourism Analysis, 11, 297-309.

Uysal, M., Chen, J. S., & Williams, D. R. (2000). Increasing state market share through a regional positioning. Tourism Management, 21(1), 89-96.

Yang, J., He, J., & Gu, Y. (2012). The implicit measurement of destination image: the application of Implicit Association Tests. Tourism Management, 33, 50-52.

Yau, O. H. M., Yau, O. H. M., & Chan, C. F. (1990). Hong Kong As A Travel Destination In South-East Asia: A Multidimensional Approach. Tourism Management, 11(2), 123-132.

Yong, K. S., & William, C. G. (2004). Perceptions in International Urban Tourism: An Analysis of Travelers to Seoul, Korea. Journal of Travel Research, 43(1), 39-45.

Publicado
30-12-2015
Como Citar
SANTOS, G. E. DE O.; SILVA, V. DE J. Mapa perceptual como ferramenta para a análise da imagem de destinos turísticos. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 3, n. 2, 30 dez. 2015.
Seção
Artigos