Institucionalização da sustentabilidade organizacional

o processo produtivo na indústria faccionista têxtil no Seridó Potiguar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2022v22n1ID31057

Palavras-chave:

Percepção ambiental, Diálogo. Educação. Liberdade. Sociedade., Sustentabilidade

Resumo

As discussões acerca do tema sustentabilidade foram ampliadas em meio à crise socioambiental, que se revela por meio da elevada degradação ambiental, do aumento da pobreza e da desigualdade social. Nesse contexto, a noção de sustentabilidade adquire proeminência, passando a ser institucionalizada por empresas que atuam em diferentes escalas geográficas, enfatizando a importância da Sustentabilidade Organizacional enquanto conceito que norteia princípios éticos que reordenam as práticas operacionais das empresas rumo à promoção do desenvolvimento sustentável. O objetivo deste trabalho é analisar a institucionalização da sustentabilidade organizacional pelas facções têxteis do Seridó. Para sua realização utilizou-se pesquisa bibliográfica, documental e de campo, ressaltando-se a aplicação do Método para Avaliação de Indicadores de Sustentabilidade Organizacional (M.A.I.S). Os procedimentos seguiram a sistemática da Triangulação de Dados: entrevistas, levantamento documental nas empresas faccionistas e observação in loco. Considerando os resultados da pesquisa quanto ao nível de sustentabilidade organizacional, a pontuação obtida pelo conjunto da amostra indica que as empresas faccionistas têxteis se na faixa Sustentável.

Palavras-chave: Sustentabilidade organizacional. Indicadores de sustentabilidade. Facções têxteis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sócrates Dantas Lopes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Bacharel el Ciências Contábeis (UFRN, 2005), Especialista em Auditoria e Perícia (UFRN, 2008), Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA/UFRN, 2016), Doutorado em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos, 2019). Professor Adjunto - Classe C - do Departamento de Ciências Exatas e Aplicadas - DCEA/CERES/UFRN desde 2009, lecionando as disciplinas de Prática Contábil, Sistemas de Informações Gerenciais, Perícia Contábil, Controladoria Empresarial, Orçamento Empresarial e Estágio Supervisionado em Contabilidade. Tutor da Contábil Assessoria Júnior que é a Empresa Júnior do Curso de Ciências Contábeis onde alunos do curso desenvolvem atendimento junto a Micro Empreendedores Individuais em diversos municípios da região do Seridó Potiguar. Pesquisador vinculado ao grupo de pesquisa Conteste, junto ao CNPq, desenvolve pesquisas na área de Orçamento Empresarial. Experiência profissional em contabilidade privada nos setores contábil, fiscal e pessoal.

Referências

ATANDA, Jubril Olakitan; ÖZTÜRK, Ayşe. Social criteria of sustainable development in relation to green building assessment tools. Environment, Development and Sustainability, v. 22, n. 1, p. 61-87, 2020.

BECKER, D. F. Sustentabilidade: um novo (velho) paradigma de desenvolvimento regional. In, BECKER, D. F. Desenvolvimento sustentável: necessidade e/ou possibilidade?. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2002.

BELLEN, H. M. V. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

CAPPELLARI, Nadiessa; STEFANI, Silvio Roberto; DE CASTRO, Marcos. A institucionalização da sustentabilidade organizacional na Itaipu Binacional. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, v. 20, n. 1, p. 117-139, 2021.

CARVALHO, A. C. V.; STEFANO, S. R.; MUNCK, L. Competências voltadas à sustentabilidade organizacional: um estudo de caso em uma indústria exportadora. Gestão & Regionalidade, v. 3, n. 1, p. 33-48, 2015.

CORDOVIL, F. C. de S. Flexibilização produtiva e espaço urbano regional: o caso das industrias domésticas da confecção na microrregião de Tubarão-SC. ENTECA/2003, Disponível em: <http://www.dec.uem.br/ eventos/enteca_2003/ Temas/tema2/040.PDF.> Acesso em: 26 de janeiro de 2015.

DENNIS, P. Produção lean simplificada. Tradução: Rosalia Angelita Neuman Garcia. 2ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

DHIMAN S. Product, people, and planet: The triple bottom line sustainability imperative. Journal of Global Business Issues, 2(2), 51-57, 2008.

EPSTEIN, Marc J.; BUHOVAC, Adriana Rejc; YUTHAS, Kristi. Managing social, environmental and financial performance simultaneously. Long range planning, v. 48, n. 1, p. 35-45, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.lrp.2012.11.001

GALLELI, B. & HOURNEAUX J., F. Human competences for sustainable strategic management: evidence from Brazil. Benchmarking: An International Journal, 26(2), 2-30, 2019. DOI: https://doi.org/10.1108/BIJ-07-2017-0209 em 20/02/2019.

GEORGE, R. A., NABIHA, A. K. S., & JALALUDIN, D. Sustainability institutionalisation: A mechanistic approach to control change. Journal of Cleaner Production, 205(1), 36-48, 2018.

GOEL, P. Triple bottom line reporting: An analytical approach for corporate sustainability. Journal of Finance, Accounting, and Management, 1(1), 27-42, 2010.

HART, S. L.; MILSTEIN, M. B.. Criando valor sustentável. RAE Executivo, São Paulo, v.3, nº2, p. 65-79, 2004. Texto traduzido por Pedro F. Bendassoli. Artigo originalmente publicado na Academy os Management Executive, v.17, nº2, p. 56-69, 2003.

HOPWOOD, B.; MELLOR, M.; O´BRIEN, G. Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable Development, 13(1), 38-52, 2005.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis/RJ: Ed. Vozes, 2001.

LINS, H. N. Reestruturação produtiva e impactos sócio-espaciais. 1998. 20 páginas. Disponível em: http://www.race.nuca.ie.ufrj.br/nuca-wp/papers/sep/mesa13/hoyedo.doc. Acesso em: 22 de agosto de 2013.

MARCONES, N. A. V.; BRISOLA E. M. A. Análise por triangulação de métodos: um referencial para pesquisas qualitativas. Ver. Univap. v.20 nº35, jul-2014. São Jose dos Campos – SP – Brasil.

MORAIS, I. R. D. Seridó norte-rio-grandense: uma geografia da resistencia. 1a. ed. Natal: EDUFRN, 2005.

MUNCK, L.; SOUZA, R. B. Gestão por competências e sustentabilidade empresarial: em busca de um quadro de análise. Encontro Nacional e Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 2009, Fortaleza. Anais... Fortaleza: XI ENGEMA, 2009.

MUNCK, L. MUNCK, M. M.; SOUZA, R. B. Sustentabilidade organizacional: a proposição de uma Framework do agir competente para seu acontecimento. Rio de Janeiro: XXXI Encontro da ANPAD, 2011.

MUNCK, L.; SOUZA, R. B. Análise das inter-relações entre sustentabilidade e competências: um estudo em uma indústria do setor eletroeletrônico. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 9, n. 3, 2012.

OLIVEIRA. J. H. R. de. M.A.I.S.: Método para avaliação de indicadores de sustentabilidade organizacional. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção, defendida em 07.02.2002, 217 p) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção. UFSC, 2002.

SACHS, I. Estratégias de transição para o Século XXI. São Paulo: Nóbel,1993.

SILVEIRA. M do C A da C. Responsabilidade social empresarial e a sustentabilidade: tecendo relações sociais. São Paulo: Annablume, 2011.

SPANGENBERG, J. Economic sustainability of the economy: Constructs and indicators. International Journal of Sustainable Development, 8(1/2), 47-64, 2005. http://dx.doi.org/10.1504/IJSD.2005.007374

ZÉU. P. S. Terceirização e reestruturação produtiva. São Paulo: Letras, 2008.

Downloads

Publicado

06-02-2023 — Atualizado em 10-11-2023

Versões

Como Citar

LOPES, S. D.; DINIZ MORAIS, I. R. . Institucionalização da sustentabilidade organizacional: o processo produtivo na indústria faccionista têxtil no Seridó Potiguar. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 175–199, 2023. DOI: 10.21680/1984-3879.2022v22n1ID31057. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/31057. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos (interdisciplinar)