Jardins de infância públicos estaduais na cidade de Campos dos Goytacazes na primeira metade do século XX

  • Vinicius Monção Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
  • Silvia Alicia Martínez Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
Palavras-chave: Jardim de infância, História da Educação, História da educação infantil, História da educação fluminense, Campos dos Goytacazes

Resumo


O artigo tem como objetivo mapear os jardins de infância públicos, criados e mantidos pelo governo estadual entre as décadas de 1920 e 1940, na cidade de Campos dos Goytacazes, localizada na região norte do estado do Rio de Janeiro. Foram analisados os mapas de frequência escolar e dos adjuntos existentes no Fundo Departamento de Educação do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. As análises se apoiaram nas proposições oriundas da História Social da Educação. Tal perspectiva está interessada em um possível afastamento de uma postura paternalista para responder sobre a implementação da pré-escola pública. Como resultado, percebe-se que a criação dos jardins de infância estava relacionada com a renovação da instrução pública e especialização no magistério público.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Monção, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-doutorado em Políticas Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

Silvia Alicia Martínez, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Professora Associada da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Pós-doutorado em História da Educação pela Universidade de Lisboa.

Referências

  • Fontes

  • A Noite. Rio de Janeiro: tipografia própria, ano 1936. (Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional).

  • Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. Fundo Departamento de Educação, códigos 00809 a 00814, caixas 0076 e 0077.

  • Correio da Manhã, Rio de Janeiro: tipografia própria, ano 1936. (Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional).

  • Diário de Notícias, Rio de Janeiro: tipografia própria, ano 1943. (Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional).

  • Estado do Rio de Janeiro. Regulamento da Instrução Pública Primária do Estado do Rio de Janeiro. Decreto n. 2.105, de 2 de março de 1925.

  • Estado do Rio de Janeiro. Dispõe sobre as organizações pré-escolares, isto é, casas maternais e jardins de infância, e regula a admissão e as atribuições do respectivo pessoal, que constituirá um quadro a parte. Decreto n. 2.930, de 5 de julho de 1933.

  • O Fluminense, Niterói: tipografia própria, ano 1955. (Hemeroteca Digital da Fundação Biblioteca Nacional).

  • Bibliografia

  • Bertucci, L. M., Faria Filho, L. M. & Oliveira, M. A. T. (2010). Edward P. Thompson: história e formação. Belo Horizonte: UFMG.

  • Boynard, M. A. A. P. (2006). A escola modelo anexa à Escola Normal de Campos: a experiência da “Seis de Março”. Dissertação de mestrado. Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ.

  • Dias, A. (2013). Os mapas de frequência escolar e a produção dos serviços de fiscalização do ensino no Estado do Rio de Janeiro (1924 – 1949). Roteiro, Joaçaba. Ed. Especial,13-40.

  • Dias, A. (2014). Entre laranjas e letras: processos de escolarização no distrito-sede de Nova Iguaçu (1916-1950). Rio de Janeiro: Editora Quartet.

  • Faria Filho, L. M. de et al. (2004). A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa. 30 (1), 139-159.

  • Faria Filho, L. M., Neves, L. S., & Caldeira, S. M. (2005). A estatística educacional e a instrução pública no Brasil: Aproximações. S. M. Caldeias (Ed.). Modernidade, educação e estatísticas na Ibero-américa dos séculos XIX e XX. (pp. 219-238). Lisboa: Educa.

  • Fernandes, R. A. N. (2009). Historiografia e identidade fluminense: a escrita da história e os usos do passado no estado do Rio de Janeiro entre as décadas de 1930 e 1950. Tese de doutorado. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

  • Gondra, J. G., & Schueler, A. (2008). Educação, Poder e sociedade no império brasileiro. São Paulo: Cortez.

  • Julia, D. (2001) A cultura escolar como objeto historiográfico. Revista Brasileira de História da Educação, 1, 9-44.

  • Martínez, S. A. & Boynard, M. A. A. P. (2004). Memórias de 1955: O (re)nascer do Instituto de Educação de Campos. Em M. Gantos (Ed.). Campos em perspectiva. (pp. 13-51). Rio de Janeiro: Papel Virtual.

  • Martínez, S. A. (2009). Formando os professores “no interior”: a criação da Escola Normal de Campos no processo de implementação do sistema de instrução pública e de profissionalização do magistério no Estado do Rio de Janeiro. Anuario Historia de la educación. Buenos Aires,10, s/p.

  • Martínez, S. A. (2012). A escola normal de Campos na gênese do processo de formação e profissionalização do magistério no norte fluminense. Em S. C. Lopes; M. W. Chaves (Ed.). A história da educação em debate: estudos comparados, profissão docente, infância, família e Igreja (pp. 123-140) Rio de Janeiro: Mauad X, FAPERJ.

  • Mignot, A. C. V. (2007). Entre cartas e cartões postais: uma inspiradora travessia. Em A. C. V. Mignot, & J. G. Gondra (Ed.). Viagens Pedagógicas. (pp. 246-276). São Paulo: Ed. Cortez.

  • Mignot, A. C. V., & Martínez, S. A. (2002). Antonia Ribeiro de Castro Lopes. Em M. de L. Favero, & J. M. de Britto. (Ed.). Dicionário de Educadores do Brasil. (2ª ed.) (pp. 89-96) Rio de Janeiro: Editora UFRJ / Mec-Inep-Comped.

  • Nagle, J. (1974). Educação e sociedade na Primeira República. São Paulo: EPU.

  • Paulilo, A. L. (2009). As estratégias de administração das políticas públicas de educação na cidade do Rio de Janeiro entre 1922 e 1935. Revista Brasileira de Educação, 14 (42), 440 – 455.

  • Paulilo, A. L. (2017). Administração educacional na sede do governo Republicano entre 1922 e 1935. Revista Educação Pública, 26 (61), 159-175.

  • Rosselini, R. (2019). Formando os cidadãos fluminenses: a escola primária no estado do Rio de Janeiro durante a primeira república. Campos dos Goytacazes: Essentia Editora IFFluminense.

  • Schueler, A. F. M. de. “Grandeza da Pátria e Riqueza do Estado”: expansão da escola primária no Estado do Rio de Janeiro (1893-1930). Revista Educação Pública Cuiabá, v. 19, n.º 41, p. 535-550, set./dez. 2010.

  • Schueler, A. F. M. de., & Magaldi, A. M. B. de M. Educação escolar na Primeira República: memória, história e perspectivas de pesquisa. Tempo, v. 13, n. 26, 2009, p. 32-55.

  • Thompson, E. P. (2011). Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

  • Vidal, D. G. (2007). O fracasso das reformas educacionais: um diagnóstico sob suspeita (Rio de Janeiro, 1927-1930). Educação em Foco, n. especial, 11-24.

  • Villela, H. de O. S (2002). Da Palmatória à Lanterna Mágica: A Escola Normal da Província do Rio de Janeiro entre o artesanato e a formação profissional – (1868-1876). Tese de doutorado. Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Publicado
15-12-2020
Como Citar
Monção, V., & Martínez, S. A. (2020). Jardins de infância públicos estaduais na cidade de Campos dos Goytacazes na primeira metade do século XX. History of Education in Latin America - HistELA, 3, e23477. https://doi.org/10.21680/2596-0113.2020v3n0ID23477
Edição
Seção
Artigos