O lugar das abordagens plurais de ensino na formação de professores de línguas estrangeiras

uma análise dos currículos das universidades do nordeste brasileiro

Autores

  • Emerson Patrício de Morais Filho Universidade Federal de Campina Grande
  • Josilene Pinheiro-Mariz

DOI:

https://doi.org/10.21680/1984-3879.2022v22n1ID30806

Palavras-chave:

Ensino Superior

Resumo

Criadas a partir da década de 1990 na Europa, as abordagens plurais de ensino chegam ao Brasil a partir dos anos 2000. Elas representam na didática de línguas um novo paradigma de ensino, pautado no desenvolvimento de competências plurilíngues e pluriculturais. Partindo dessa discussão, este artigo tem por objetivo apresentar um estudo documental dos Projetos Pedagógicos dos cursos de Letras Estrangeiras Modernas das instituições de ensino superior da Região Nordeste do Brasil, a fim de identificar o espaço atribuído às abordagens plurais de ensino nos currículos desses cursos. Esta pesquisa se fundamenta nos princípios da didática do plurilinguismo, com base no Cadre de Référence pour les Approches Plurielles – CARAP (2009), França (2015), Castellotti (2001) e Silva (2013). Os resultados da análise demonstram que as abordagens plurais de ensino ainda estão ausentes da maioria dos cursos de formação de professores de línguas estrangeiras do Nordeste, o que reverbera em uma concepção monolíngue de ensino por parte dos professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CANDELIER, M.; et al. (coord.). Cadre de Référence pour les Approches Plurielles des Langues et des Cultures – CARAP. Conseil de l'Europe: Áustria, 2009.

CASTELLOTTI, V. Retour sur la formation des enseignants de langues: quelle place pour le plurilinguisme? ÉLA: Études de linguistique appliquée. Klincksieck. n° 123-124. 2001. p. 365-372.

DABENE, L. L'enseignement de l'espagnol aux francophones (Pour une didactique des langues « voisines »). In: Langages, 9ᵉ année, n°39. Linguistique et pédagogie des langues. 1975. p. 51-64.

FRANÇA. l’intercompréhension. Délégation générale à la langue française et aux langues de France.Paris : 2015. Disponível em:www.culturecommunication.gouv.fr/Politiques-ministerielles/Langue-francaise-et-langues-de-France. Acesso em 22 jul. 2021.

XXXX. Línguas, literatura e intercompreensão: estudo sobre as representações de professores. 2020. 155f. Dissertação (Mestrado em Linguagem e Ensino) – Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Humanidades. Campina Grande (CG), 2020. Disponível em: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/14619. Acesso em 02 ago. 2021.

ROULET, E. Langue maternelle et langues secondes. Vers une pédagogie intégrée. Hatier : Poitiers, 1980.

SILVA, R. C. da. Intercompreensão entre Línguas Românicas: Contextos, Perspectivas e Desafios. Revista de Italianística XXVI. Nº 26. 2013. p.91-103.

Downloads

Publicado

06-02-2023

Como Citar

PATRÍCIO DE MORAIS FILHO, E.; PINHEIRO-MARIZ, J. . O lugar das abordagens plurais de ensino na formação de professores de línguas estrangeiras: uma análise dos currículos das universidades do nordeste brasileiro. Saberes: Revista interdisciplinar de Filosofia e Educação, [S. l.], v. 22, n. 1, p. 116–141, 2023. DOI: 10.21680/1984-3879.2022v22n1ID30806. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/saberes/article/view/30806. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Educação e Ensino

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.