As práticas pedagógicas das Irmãs Militão: um misto de medo, amor e respeito por duas professoras leigas do interior da Bahia

  • Luzinete Moreira da Silva Univrsidade Tiradentes
  • Cristiano de Jesus Ferronato Universidade Tiradentes
Palavras-chave: Professoras Leigas, Cultura Escolar, Prática Pedagógica, Facebook

Resumo


O objetivo deste estudo é analisar as práticas pedagógicas das Irmãs Militão, duas professoras leigas do Município de Senhor do Bonfim-BA. Partindo dos pressupostos da História Pública Digital sob o embasamento de autores como Carvalho (2016), Lima (2015) e Porto e Santos (2014), utilizamos como fontes de pesquisa, comentários de publicações na rede social Facebook. As análises foram feitas embasadas em autores como Nóvoa (2013), Josso (2010), Escolano (2017), Tardif (2012), e outros que discutem prática docente, cultura escolar e formação docente. Sobre os resultados obtidos, percebemos a relevância e influência das práticas das irmãs Militão, já que até aqueles que sofreram e condenavam os castigos físicos presentes, reconhecem a contribuição dessas professoras na educação bonfinense.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luzinete Moreira da Silva, Univrsidade Tiradentes

Programa de Pós-graduação em Educação - PPED, Universidade Tiradentes - UNIT, Aracaju-SE, Brasil, luzmoreira2009@gmail.com

Cristiano de Jesus Ferronato, Universidade Tiradentes

Programa de Pós-graduação em Educação - PPED, Universidade Tiradentes - UNIT, Aracaju-SE, Brasil

Referências

  • Carvalho, B. L. P. (2016). História Pública e Redes Sociais na Internet: elementos iniciais para um debate contemporâneo. Revista TransVersos, 7(7), 35-53.

  • Escolano, Agustín. (2017). A Escola como cultura: experiência, memória, arqueologia. Ed. Alínea.

  • Escolano, Agustín. (2001). Arquitetura como programa. Espaço-escola e curriculo. In Vinão, A. Frago; Escolano, A. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A. 2001, p. 19 – 58.

  • Lemos, D. C. D. A. (2012). Os cinco olhos do diabo: os castigos corporais nas escolas do século XIX. Educação & Realidade, 37(2), 627-646. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade Acesso em 10 de dez de 2019.

  • Lima, M. T., Jaques, K. M., & Ávila, T. M. (2015). Facebook-Um novo espaço autobiográfico?. Letras & Letras, 31(1), 282-298.

  • Ginzburg, Carlo. (2007). O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras.

  • Josso, Marie-Christine. (2002). Experiências de vida e formação. Lisboa: Educa.

  • Nóvoa, Antonio (org.). (2013). Vidas de professores. Porto: Porto.

  • Peixoto, J. R. A. S. (2014). Irmãs Militão: cotidiano, práticas e o funcionamento de uma casa-escola em Senhor do Bonfim de 1975 – 1985. 2014. Monografia (Licenciatura em História). Universidade do Estado da Bahia, Campus IV. Jacobina-BA. Disponível em: www.saberaberto.uneb.br/handle/20.500.11896/729. Acesso em 14 de nov de 2019.

  • Tardif, Maurice. (2012). Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Publicado
08-10-2020
Como Citar
Silva, L. M. da, & Ferronato, C. de J. (2020). As práticas pedagógicas das Irmãs Militão: um misto de medo, amor e respeito por duas professoras leigas do interior da Bahia. History of Education in Latin America - HistELA, 3, e22087. https://doi.org/10.21680/2596-0113.2020v3n0ID22087
Edição
Seção
Artigos